O satélite poderá ser usados pelas forças militares do Brasil para estabelecer pontos de comunicação em regiões remotas (Foto - FAB)

O satélite poderá ser usados pelas forças militares do Brasil para estabelecer pontos de comunicação em regiões remotas (Foto – FAB)

O Brasil está prestes a entrar na seleta lista de países que possuem satélites militares em órbita no espaço. Segundo anúncio da presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, a deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), em assembléia na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), nesta semana, o primeiro satélite brasileiro de defesa e comunicação será lançado no final de 2016.

O equipamento, chamado “Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas” (SGDC), ficará a 360 km de altura em relação a superfície da Terra. Depois de posicionado na órbita correta e testado, o satélite entrará em operação em janeiro de 2017. Informações sobre os meios de lançamento ainda não foram divulgadas.


Jô Moraes visitou as instalações da empresa Thales Alenia Space, em Cannes, na França, onde o satélite está sendo construído. A deputada coordenou uma ação com autoridades francesas para discutir e conhecer tecnologias de ponta e inovações de interesse do Brasil.

“O projeto SGDC é uma importante conquista para a soberania do país. Ele integrará as longínquas regiões às mais modernas redes de informação. Uma conquista inovadora que precisa ser apoiada por toda a sociedade para ter acelerada a sua conclusão”, explicou a parlamentar ao site Portal Vermelho.

Satélite brasileiro

O desenvolvimento do SGDC, que está em fase de construção na França, é supervisionado pela “Visiona Tecnologia Espacial”, um joint-venture entre Embraer (51%) e Telebras (49%). A empresa nacional foi criada para conduzir o processo de viabilização e participação do processo de absorção de tecnologia estrangeira.

Ao todo, 49 especialistas brasileiros já fizeram cursos e participaram de processos de construção e pesquisa do satélite com os profissionais da Thales Alenia Space. O projeto, que tem chancela dos ministérios da Defesa, das Comunicações e da Ciência e Tecnologia, tem o objetivo de trazer ao Brasil o conhecimento necessário para a construção de satélites e seus sistemas embarcados. O aparelho começou a ser construído em janeiro de 2014.

O SGDC tem propósitos civis e militares. Quando entrar em operação, o satélite será utilizado em meios de comunicação de alta velocidade. Para os militares, servirá para estabelecer pontos de comunicação avançada com banda larga via satélite em regiões remotas do País. O projeto também está aberto para propostas comerciais.