Porsche 911 com asas? As fabricantes vão estudar o potencial de mercado para eVTOLs de luxo (Boeing)

A Boeing e a Porsche assinaram nesta semana um memorando de entendimento para explorar o que elas chamam de “mercado premium” de mobilidade urbana do futuro. Com essa parceria, as duas fabricantes querem estudar o potencial de veículos aéreos de luxo e suas possibilidades de utilização.

“A Porsche procura aprimorar seu escopo como fabricante de carros esportivos, tornando-se uma marca líder em mobilidade premium. A longo prazo, isso pode significar mudar para a terceira dimensão da viagem”, diz Detlev von Platen, membro do Conselho Executivo da Vendas e Marketing da Porsche AG. “Estamos combinando os pontos fortes de duas empresas globais líderes para abordar um potencial segmento de mercado importante do futuro.”


Como parte da parceria, as empresas criarão uma equipe internacional para abordar vários aspectos da mobilidade aérea urbana. A Aurora Flight Sciences, subsidiária da Boeing, também está envolvida no projeto.

Em comunicado, o grupo confirmou que está desenvolvendo um veículo de decolagem e pouso vertical totalmente elétrico, um eVTOL. Datas sobre apresentação e planos de voo com o protótipo ainda não foram divulgados.

“Essa colaboração se baseia em nossos esforços para desenvolver um novo ecossistema de mobilidade seguro e eficiente e oferece uma oportunidade para investigar o desenvolvimento de um veículo de mobilidade aérea urbana premium com uma marca automotiva líder”, disse Steve Nordlund, vice-presidente e gerente geral da Boeing NeXt, organização que estudando quais recursos são necessários para criar a rede de mobilidade aérea em centros urbanos com veículos autônomos. “A Porsche e a Boeing juntas trazem engenharia, estilo e inovação de precisão para acelerar a mobilidade aérea urbana em todo o mundo”, completou Nordlund.

A Boeing e a Porsche vão construir um protótipo de eVTOL de luxo (Boeing)

Um estudo de 2018 da Porsche prevê que o mercado de mobilidade aérea urbana deve disparar após 2025. A pesquisa da montadora alemã também indica que os eVTOLs transportarão passageiros com mais rapidez e eficiência do que os atuais meios convencionais de transporte terrestre, a um custo menor e com maior flexibilidade.

Enxame de eVTOLs

A Boeing é um dos muitos nomes da indústria envolvidos em projetos de eVTOL, as pequenas aeronaves que devem estrear nos próximos anos atuando como “táxis voadores”. O principal projeto da fabricante americana nessa área é o protótipo conhecido como PAV, sigla em inglês para Passenger Air Vehicle (Veículo Aéreo de Passageiro), desenvolvido pelas divisões NeXt e Aurora.

O protótipo PAV é o primeiro experimento prático da Boeing com eVTOLs (Boeing)

O táxi voador da Boeing é impulsionado por motores elétricos e tem espaço para dois passageiros. Segundo a fabricante, uma carga de bateria rende uma viagem de até 80 km voando com a aeronave a 180 km/h. O modelo é projetado para participar da Uber Air, a “companhia aérea” de mobilidade urbana que a Uber pretende inaugurar em 2023, começando pela Austrália.

Outros fabricantes consagrados que participam da iniciativa promovida pela Uber são a Bell Helicopter e a Embraer. As duas companhias estão projetando seus próprios eVTOL e estudando formas de conciliar essas novas aeronaves com espaços urbanos.

A nova categoria da aviação também atraiu empresas novatas, como a EHang, da China, e a Volocopter (ex-E-Volo), startup alemã que recentemente recebeu um grande investimento do grupo Daimler, da Alemanha, e da Geely, conglomerado chinês dono das marcas Volvo e Lotus.

Marcas de carros nos ares

O objetivo do Pop.Up Next é oferecer transporte de ponta a ponta sem precisar trocar de veículo (e modal) durante a viagem (Audi)

O Audi Pop.Up Next é um híbrido de carro elétrico com eVTOL (Audi)

O envolvimento de companhias automotivas na criação de “carros voadores” ou mesmo com alguma presença na aviaçãoé pequeno. Além da nova parceria entre Boeing e Porsche e a investida dos grupos Daimler e Geely na Volocopter, outra rara montadora envolvida nesse campo é a Audi.

A fabricante alemã está desenvolvendo em parceria com a Airbus o “Pop.Up Next”, uma espécie de carro elétrico combinado com eVTOL. O veículo híbrido é projetado para realizar viagens sob demanda, igual ao modelo de negócios pretendido pela Uber Air, mas com maior flexibilidade, deslocando-se por vias aéreas e terrestres durante o trajeto. No final de 2018, a Audi fez a primeira demonstração pública do projeto com uma miniatura do conceito.

Para rodar como "carro", o veículo dobra as asas e a força do motor retorna as rodas (Terrafugia)

Meio carro, meio avião: o Terrafugia Transition é um raro caso de carro voador que funciona com segurança (Terrafugia)

A ideia do carro voador é algo que acompanha o imaginário popular desde os primórdios da aviação. A combinação de automóvel com avião gerou estranhos projetos em diferentes épocas que até conseguiram voar, mas não são nada práticos de operar em solo. O estranho Terrafugia Transition é um desses casos.

O Ford Flivver foi uma tentativa de Henry Ford se criar um avião popular, tal como o Ford T (Domínio Público)

O Ford Flivver foi uma tentativa de Henry Ford de criar um avião popular nos anos 1920 (Domínio Público)

Entusiasmado com o sucesso do Ford T, o primeiro automóvel produzido em série, Henry Ford tentou criar na década de 1920 um avião popular, o Flivver. O projeto, no entanto, acabou cancelado após um acidente e Ford compreender que voar não era tão fácil como dirigir um carro.

O formato do veículo pessoal que decola direto da garagem de casa ainda é sonho distante. Em vez disso, o transporte aéreo urbano com preços acessíveis pode ser viabilizado nos próximos anos em viagens coletivas com eVTOLs autônomos, como prometem as companhias envolvidas nesse mercado.

A adoção desses veículos ainda depende de severas mudanças nos regulamentos de tráfego aéreo e a construção de bases de operação e infraestrutura em solo, que a Uber chama de “Skyports”. Ademais, esses novos veículos precisam enfrentar minuciosos processos de testes até provarem que são seguros, sobretudo em controle autônomo.

Implementar esse novo modal de deslocamento urbano é uma tarefa que vai exigir avanços notáveis em diversas aéreas da aviação e transporte. Ao contrário do que poderia pensar Henry Ford há quase 100 anos, criar um veículo aéreo pessoal ainda não é fácil, mas estamos quase lá.

Veja mais: Boeing pode lançar 767 com nova motorização