Boeing 777-300ER ainda com a pintura da TAM: jato segue nos planos da Latam

Maior avião da frota da Latam, o Boeing 777-300ER segue nos planos da empresa a despeito da devolução de uma das dez unidades no final de abril. É o que garante a companhia aérea em nota enviada ao Airway. Com 377 assentos, o 777 é o jato de maior capacidade em todo o grupo e operado exclusivamente pela filial brasileira. Hoje ele voa para os principais destinos internacionais da companhia e é complementado pelo novo Airbus A350-900, capaz de transportar 348 passageiros em duas classes.

Segundo a Latam, “a devolução do Boeing 777-300ER de matrícula PT-MUI é pontual por encerramento de contrato. A companhia reforça que não estão previstas outras devoluções de aeronaves deste modelo e que segue operando normalmente os outros 9 Boeing 777 de sua frota”.


O Boeing 777 foi incorporada à frota ainda nos tempos da TAM para suprir a grande demanda de rotas onde o Airbus A330-200, então a base internacional da empresa, mostrava-se pequeno. Os primeiros quatro exemplares foram entregues entre agosto de 2008 e janeiro de 2009, comprados diretamente da Boeing. Em 2012 mais quatro unidades foram incorporadas além de duas em 2013, parte delas alugadas. O PT-MUI, que retornou para o proprietário na terça-feira (24) seguindo para Abu Dhabi, foi o penúltimo 777 incorporado à frota em julho de 2013.

Assim que a Latam assumiu a frota da TAM todos os 777 foram repassados para companhias de leasing e então alugados. Embora não seja considerado um avião eficiente para o perfil da companhia aérea – seu presidente Jerome Cadier o considera “gastão” -, o jato da Boeing ainda deve voar por algum tempo e para isso receberá um retrofit a partir do segundo semestre.

Embora a empresa não tenha dado muitos detalhes a respeito, é provável que além de um interior mais moderno e em linha com outros aparelhos, o 777 tenha seus assentos reconfigurados para equilibrar a oferta entre as classes. Hoje ele possui nada menos que 56 poltronas na classe executiva contra apenas 30 do A350. Além disso, não inclui os assentos com ‘pitch‘ mais generoso, a famosa classe “econômica plus”, existente no avião da Airbus, por exemplo.

Veja também: Latam Chile tem frota mais jovem que a Latam Brasil