Airbus A320neo da Azul: base da companhia aérea (Rafael Luiz Canossa)

Os planos de renovação da frota da Azul Linhas Aéreas já era o mais agressivo entre as companhias aéreas brasileiras, mas a empresa decidiu acelerar o processo em 2019. Foi a que ela anunciou nesta quarta-feira (06) em nota que detalhou as mudanças que deverão ocorrer este ano. Serão incorporadas 21 aeronaves de nova geração, oito a mais que o plano original. Elas cobrirão com sobras a saída de 15 unidades do jato E195, da Embraer, já que se tratam de aviões maiores.

A mais significativa adição será feita na frota de Airbus A320neo. Até o ano passado, a Azul operava uma frota de 20 unidades do jato e hoje já possui 24 aviões, dois deles ex-Avianca. A meta é chegar ao final do ano com 27 A320neo em operação. A companhia também receberá seis aviões E195-E2, nova geração do jato da Embraer. A princípio seriam apenas duas unidades, mas a Azul conseguiu antecipar as entregas junto à fabricante brasileira – a empresa aérea será a cliente lançadora do modelo no mundo.


“As aeronaves A320neo contribuem para uma receita significativamente maior em todas as nossas unidades de negócio. Os assentos adicionais oferecem aos passageiros maior conectividade em nossa malha, maior opções de resgate de pontos para nossos clientes TudoAzul e mais espaço para acomodação de cargas da Azul Cargo Express. Além destes benefícios, o custo por assento do A320neo é 29% menor do que o de nossa geração atual de aeronaves. Também estamos igualmente entusiasmados com a chegada da próxima geração de aeronaves Embraer E2, que fornecem uma redução de 26% no custo por assento comparado às aeronaves atuais”, comemorou o CEO da Azul, John Rodgerson.

(Embraer)

Azul deverá receber seis aviões E195-E2 este ano (Embraer)

Atraso no A330-900neo

O único contratempo nos planos da Azul é em relação ao widebody A330-900neo. Versão avançada do birreator, o Airbus entrou em operação no final do ano passado pela TAP e só tem três unidades entregues até o momento, todas para a companhia portuguesa. A Azul planejava recebê-los em dezembro, mas agora reviu seu cronograma e só deve contar com a aeronave no final do primeiro semestre. Por isso, das quatro unidades previstas, apenas três deverão ser entregues em 2019.

Por fim, a companhia decidiu não mais incorporar três turbo-hélices ATR 72, permanecendo com uma frota de 33 aviões. Segundo a Azul, até o final do ano 40% da capacidade da companhia será de aeronaves de última geração. Para se ter uma ideia da ampliação de oferta de assentos, ela crescerá 18% com um aumento de apenas 5% nas decolagens.


Airbus A330neo da Azul: companhia receberá três unidades em vez de quatro este ano (Airbus)

Veja abaixo como ficará a frota da companhia:

Aviões 2018 2019 (antes) 2019 (agora)
Airbus A320neo 20 27 32
Embraer E195-E2 0 2 6
Embraer E195-E1 63 55 48
ATR-72 33 36 33
Airbus A330-200 7 7 7
Airbus A330-900neo 0 4 3
Total 123 131 129

Veja mais: Governo de SP reduz ICMS sobre combustível de aviação