(Azul)

A Azul é a companhia que atende mais destinos no Brasil: 104 no total (Azul)

Seguindo exemplo da Gol que fez uma parceria com a empresa regional TwoFlex, a Azul anunciou nesta quinta-feira (22) um acordo de interline com a ASTA Linhas Aéreas, de Cuiabá (MT). Focada da aviação sub-regional, a empresa, fundada em 1995, atua em nove destinos no Mato Grosso e opera 11 voos diários no estado.

Com a nova parceira, a atual terceira maior companhia aérea do Brasil expande sua operação para 111 destinos domésticos. A cidades atendidas pela ASTA são Água Boa, Canarana, Juara, Juína, Lucas do Rio Verde, Primavera do Leste e Tangará da Serra, além de Cuiabá e Rondonópolis, onde a Azul também opera.


A expectativa das empresas é que o acordo entre em vigor em até 90 dias. Após esse prazo, os clientes da Azul poderão adquirir passagens para os novos destinos regionais da ASTA no Mato Grosso e vice-versa.

“Esse acordo comercial levará a mais cidades no Brasil um transporte aéreo de qualidade, integrado a uma malha aérea nacional e internacional, reiterando o compromisso da Azul em desenvolver novos mercados, mesmo onde nossos aviões não chegam. Juntos com a ASTA, chegaremos a mais cidades no Mato Grosso, estado que se destaca pela grande extensão territorial e intensa atividade do agronegócio, reforçando nosso centro de conexões em Cuiabá”, afirma Marcelo Bento Ribeiro, diretor de alianças da Azul.

Com mais de mil passageiros transportados por mês, a ASTA conta com três aeronaves modelo Cessna Grand Caravan C208B, de nove lugares. A expectativa da empresa é de incrementar a demanda em 30% com a parceria.

A Asta opera no Mato Grosso com aeronaves Cessna C 208 Grand Caravan (Asta)

“Asas do agronegócio”: Asta opera no Mato Grosso com monomotores Cessna Grand Caravan (Asta)

“Nosso principal foco são os passageiros do agronegócio, pessoas que precisam circular com agilidade, segurança e conforto pelas cidades do interior do estado”, diz o CEO da ASTA Linhas Aéreas, Adalberto Bogsan.

Veja mais: Gol lança serviço de “stopover” nos aeroportos paulistas