O “avião-radar” modernizado da Força Aérea Brasileira (FAB), o jato E-99M, realizou na última sexta-feira (16/8), em Gavião Peixoto (SP), seu primeiro voo após iniciado o processo de atualização pela Embraer, em andamento desde setembro de 2018.

De acordo com a FAB, os E-99 estão recebendo sistemas de missão atualizados que vão ampliar as capacidades da aeronave, que atualmente é empregada em operações de controle e defesa do espaço aéreo brasileiro. O avião é baseado no jato comercial ERJ-145.


“Inicialmente, foram desmontados todos os equipamentos e a aeronave foi redesenhada para receber uma nova configuração. Esse voo de hoje concretiza o término de uma das fases da modernização, demonstrando que a aeronave está em condições de voo frente a todo esse complexo desenvolvimento”, explica o gerente do projeto de modernização da aeronave, Coronel Aviador Wilson Paulo Corrêa Marques.

O E-99M vai ser operado pelo Esquadrão Guardião (2°/6° GAV), na Ala 2, em Anápolis (GO). De acordo com o comandante do esquadrão, Tenente-Coronel Aviador Felipe Francisco Espinha, o ganho operacional com a aeronave modernizada será relevante.

“A modernização possibilitará uma melhor visualização dos tráfegos, que mais informações sejam captadas, um incremento na capacidade de atuação em um ambiente de guerra eletrônica, além de uma melhoria na coordenação dos sistemas embarcados”, destaca.

A principal alteração no E-99M é o novo radar Erieye-ER montado na grande antena sobre a fuselagem da aeronave. Esse equipamento é igual ao aplicado no Saab Globaleye (baseado no jato executivo Bombardier Global 6000), mas adaptada aos requerimento operacionais da FAB, informou o site Poder Aéreo.


Os E-99 estão sendo modernizado na sede da Embraer em Gavião Peixoto (FAB)

Antes limitado a alvos aéreos e navais, o novo radar do E-99M agora é capaz de detectar alvos terrestres. O equipamento atualizado também ficou mais preciso e pode acompanhar alvos menores, como motos aquáticas, botes de borracha e helicópteros em voo pairado. O alcance de detecção do sistema também foi consideravelmente ampliado, passando de 450 km para até 732 km.

Outras modificações na aeronave incluem a incorporação de novos conjuntos de comunicação, sistema de identificação amigo/inimigo (IFF, Identification Friend or Foe) e uma suíte de equipamentos de inteligência e outra de auto-defesa. Partes desses recursos podem ser vistos nas protuberâncias na fuselagem do E-99M.

A previsão da FAB é de que o primeiro E-99M retorne a frota operacional até o primeiro semestre de 2020. Ao todo, cinco aeronaves vão passar pelo processo de modernização, programado para ser concluído até 2022.

Olhos no céu

A FAB vai atualizar todos os seus cinco jatos E-99 (FAB)

Os E-99 entraram em operação na FAB em 2002 como parte das aquisições destinadas a compor o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM). A característica mais marcante da aeronave é a grande antena de radar na parte superior da fuselagem. O equipamento é capaz de detectar alvos aéreos e transmitir essas informações para os centros de controle em terra ou outras aeronaves.

O radar usado no E-99 é o Erieye, desenvolvido pela SAAB. O sistema possui 192 módulos auto-direcionáveis de transmissão e recepção de sinais. Por isso, em vez de uma varredura rotativa convencional (e mais lenta), o equipamento faz uma busca seletiva, podendo acompanhar simultaneamente diferentes aeronaves e embarcações que voam ao redor da antena. Segundo o fabricante, o equipamento possui um alcance de busca de 350 km a 450 km voando a 7.620 metros.

Além do Brasil, o E-99 também é operado pelas forças aéreas do México, Grécia e Índia, que recentemente atualizou seus modelos e incluiu equipamentos de reabastecimento aéreo.

Veja mais: Avião presidencial do Brasil vai ganhar nova pintura