O A320 é hoje a principal aeronave da Avianca Brasil; a empresa ainda encomendou mais de 60 unidades do novo A320neo (Benito Latorre)

O A320 é hoje a principal aeronave da Avianca Brasil; a empresa ainda encomendou mais de 60 unidades do novo A320neo (Benito Latorre)

A Avianca Brasil é a companhia aérea nacional que “mais gera e entrega valor tangível e intangível aos seus públicos”, segundo a 5ª edição do estudo “Mais Valor Produzido – Aviação”, criado pela consultoria DOM Strategy Partners. A avaliação é uma ramificação do ranking “Mais Valor Produzido Brasil“, que avalia 22 setores da economia com o objetivo de saber como as empresas criam e entregam seus valores aos seus acionistas, consumidores, funcionários e fornecedores.

O levantamento deste ano ouviu 3.800 pessoas, que avaliaram de 0 a 10 as principais companhias em operação no Brasil em um série de quesitos. Alguns dos critérios analisados foram a eficácia da estratégia corporativa, crescimento de mercado, valor da marca, relacionamento com clientes, sustentabilidade, inovação, entre outros.


A nota obtida pela Avianca no estudo deste ano foi de 8,03 pontos. Na sequência aparecem pela ordem as companhias Azul (7,98), Gol (7,97) e Latam (7,96).

Como explicou o CEO da DOM Strategy Partners e coordenador do estudo, Daniel Domeneghetti, a primeira posição da Avianca no ranking deve-se ao fato da empresa eoferecer “serviços diferenciados” para todos os públicos com os quais se relaciona, “principalmente para os clientes, levando entretenimento individual, refeição gratuita e maior espaço entre as poltronas, por exemplo.”

“O mapa estratégico da Avianca conecta com inovação, eficiência e performance sem deixar de atender as necessidades do consumidor, considerado o principal e mais valioso agente externo”, disse Domeneghetti.

“Queridinha” dos brasileiros

A Avianca Brasil se tornou em pouco tempo uma das companhias aéreas preferidas do público brasileiro. A empresa é única do Brasil que hoje oferece aos passageiros sistemas de entretenimento individual em voos domésticos e refeições gratuitas. Não só isso, a Avianca consegue oferecer um serviço hoje considerado diferenciado com preços competitivos.

O turbo-hélice Embraer Brasília foi uma das primeiras aeronaves da OceanAir; cada modelo tinha uma cor diferente (Benito Latorre)

O turbo-hélice Embraer Brasília foi uma das primeiras aeronaves da OceanAir; cada modelo tinha uma cor diferente (Benito Latorre)

A história da companhia começou em 2002 e com outro nome: a hoje Avianca Brasil é a antiga OceanAir Linhas Aéreas, que começou suas atividades com voos de táxi-aéreo. Em 2004, a empresa foi incorporada ao grupo Synergy Aerospace, que também adquiriu na mesma época o controle da Avianca, companhia aérea da Colômbia e a segunda empresa mais antiga do setor ainda em operação – a Avianca foi fundada em 1919.

A mudança definitiva do nome da companhia brasileira aconteceu em 2010 e a marca OceanAir foi extinta. Um dos principais aviões que ajudaram no crescimento da empresa no mercado brasileiro foi o Fokker 100, que a companhia chamava de “Fokker Mk28”. A mudança no nome do avião era uma tentativa de afastar a má fama do jato holandês que sofreu uma série de percalços e acidentes com a antiga TAM.

A Avianca foi a última companhia do Brasil a voar com o Fokker 100 (Thiago Vinholes)

A Avianca foi a última companhia do Brasil a voar com o Fokker 100 (Thiago Vinholes)

A frota da Avianca Brasil hoje é uma das mais avançadas em serviço no mercado brasileiro, formada por jatos Airbus da família A320 e A320neo, além de modelos widebody A330-200 usados em voos para os Estados Unidos.

A Avianca, porém, é a companhia com a menor frota de aeronaves entre as quatro grandes do país, com pouco mais de 50 jatos, enquanto as concorrentes tem mais de 100 aviões. O número de destinos atendidos pela empresa também fica aquém das rívais: são 25 rotas domésticas e quatro internacionais, ao passo que Gol e Latam atendem mais de 60 destinos e a Azul em mais de 100.

Veja mais: Airbus entrega primeiro A350 de “Alcance Ultra Longo”