Avianca Brasil terá um enorme desafio para sobreviver nesta semana (Avianca)

Após ver sua situação se agravar nos últimos dias, a Avianca Brasil começará a semana com o desafio de se manter viva no mercado brasileiro. A companhia aérea, que está em recuperação judicial desde dezembro, terá de devolver 18 jatos A320 a partir desta segunda-feira (22), praticamente quase toda a sua base de aviões.

Por meio de um acordo intermediado pela ANAC com as empresas de leasing, a Avianca fará a retirada gradual dessas aeronaves após a Páscoa a fim de não prejudicar ainda mais os passageiros. Serão devolvidos seis A320CEO para a empresa ACG, seis A320NEO e um CEO para a GECAS, quatro A320CEO para Vermillion e um A320NEO para a PK Air Finance. Com isso restarão na frota da Avianca alguns A318 e A320, insuficientes para que a companhia mantenha uma malha de voos mínima.


A empresa, que cada vez mais tem cancelado voos, não consegue gerar caixa suficiente mesmo para pagar as taxas aeroportuárias onde opera. Sem perspectivas de receber algum tipo de aporte e com o leilão de seus ativos ainda distante – segundo o Diário Oficial do Estado de São Paulo, ele está marcado para o dia 7 de maio – a operação da Avianca está seriamente ameaçada.

Azul fora do páreo

Além do cenário de terra arrasada que a aguarda nesta semana, a Avianca viu a desistência da Azul em participar do leilão dos ativos. A companhia aérea foi a primeira a manifestar interesse pelo espólio da rival em março, mas tinha a intenção de pagar pelo “pacote” inteiro de slots, parte da frota e o programa de fidelidade “Amigo”, além de cogitar a contratação de funcionários da empresa.

Mas uma manobra conjunta da Gol e da LATAM que se uniram ao maior credor da Avianca, acabou com planos da Azul ao fatiar os ativos em sete lotes e com isso praticamente impedir que a companhia de David Neeleman pudesse levar tudo que lhe interessava, ou seja, os slots em aeroportos movimentados. A proposta aprovada pelos credores da Avianca tenta aumentar a concorrência pelos ativos e assim elevar o valor pago, porém, a Azul descartou participar do leilão.


Gol e LATAM seguem confirmadas, porém, caso levem os slots em Congonhas, Guarulhos e Santos Dumont correm o risco de perderem esses horários por conta da concentração de mercado – as duas já são as maiores operadoras desses terminais.

Exceto pelo programa Amigo, é fato que o único atrativo da Avianca são os slots que em tese não poderiam ser vendidos afinal são concessões da ANAC. Certamente, pode-se esperar por uma batalha demorada nos tribunais movida pela Azul. A grande pergunta é saber se a Avianca Brasil resistirá até lá.

Aviões A320 devolvidos pela Avianca no MRO da LATAM em São Carlos: mais “visitantes” nesta semana? (Reprodução/Instagram)

Veja também: Assim como irmã brasileira, Avianca Argentina está em crise