O Charles de Gaulle operado pela Marinha da França é o único porta-aviões nuclear operado na Europa (Divulgação)

O Charles de Gaulle operado pela França é o único porta-aviões nuclear operado na Europa (Divulgação)

Um porta-aviões para ser compartilhado por forças militares da União Europeia. Essa ideia foi sugerida pela líder do partido União Democrata Cristã da Alemanha, Annegret Kramp-Karrenbauer, em resposta às propostas do presidente da França, Emmanuel Macron, para a reforma da UE anunciadas no início deste mês.

“O próximo passo poderia ser começar o projeto simbólico de construir um porta-aviões europeu comum”, disse Annegret, que sucedeu a chanceler da Alemanha Angela Merkel no liderança do partido em novembro de 2018. De acordo com a política, um equipamento desse tipo pode destacar a posição da UE na segurança global.



A ideia é apoiada por Merkel. Em entrevista a agência Reuters, a chanceler alemã declarou que “é certo e bom termos um equipados do lado europeu, eu estou feliz em trabalhar nisso”, mas também afirmou que precisa “fazer outras coisas como prioridade”.

Ainda não está claro ainda se a proposta de Annegret prevê uma embarcação para ser operada em conjunto entre as nações da UE ou uma classe comum de novas embarcações, sugestão considerada menos provável devido aos altos custos.

A Alemanha e a França já estão trabalhando em parceria para desenvolver uma nova aeronave de combate avançada. Um projeto desse tipo também poderia originar um novo caça embarcado para ser operado a partir do porta-aviões europeu.

Porta-aviões na Europa

Atualmente, somente quatro países da União Europeia possuem porta-aviões em suas marinhas. Ao todo existem cinco embarcações desse tipo ativas no continente distribuídas entre o Reino Unido, Itália, Espanha e França.

O ITS Giuseppe Garibaldi é um dos dois porta-aviões operado pela marinha da Itália (Divulgação)

O ITS Giuseppe Garibaldi é um dos dois porta-aviões operado pela marinha da Itália (Divulgação)

Em outubro do ano passado, o ministério da defesa da França iniciou um estudo previsto para durar 18 meses para analisar a eventual substituição do porta-aviões francês Charles de Gaulle. O navio aeródromo da marinha francesa foi comissionado em 2004 e atualmente é a única embarcação desse tipo na Europa com propulsão nuclear. A previsão é que a embarcação permanece em serviço até a década de 2030.

Já o Reino Unido está na fase inicial de testes com o novo porta-aviões da classe Queen Elizabeth. O primeiro modelo, o HMS Queen Elizabeth, está programado para ser comissionado em 2021, e o segundo navio, o HMS Prince of Wales, deve ser declarado operacional até 2023.

A Turquia é outro país que se prepara para entrar no grupo de nações que possuem porta-aviões, com o TCG Anadolu. A embarcação turca já está sendo testada no mar e deve ser declarada operacional até 2021.

Veja mais: Conheça o poder aéreo da Venezuela