O ACJ320neo pode percorrer até 11.000 km, quase o dobro da autonomia do modelo comercial (Airbus)

O ACJ320neo pode percorrer até 11.000 km, quase o dobro da autonomia do modelo comercial (Airbus)

Introduzido na aviação comercial em 2016, o jato de nova geração A320neo agora também está no setor executivo. A Airbus apresentou nessa quinta-feira (17), em Toulouse, na França, o primeiro modelo ACJ320neo da divisão Airbus Corporate Jets (ACJ). De acordo com o fabricante, a aeronave será entregue no segundo semestre deste ano à Acropolis Aviation, empresa de voos charter de alto luxo do Reino Unido.

O modelo recém-saído da linha da montagem, porém, ainda não está totalmente finalizado. Ainda falta aplicar a pintura final e montar todo seu interior, tarefas que serão realizadas pela Amac Aerospace, em Basel, na Suíça. A cabine do primeiro ACJ320neo foi desenhada pelo escritório de arquitetura Alberto Pinto, de Paris, especializado em design de interiores e com uma série de projetos na aviação.



O ACJ320neo incorpora todas as inovações tecnológicas do A320neo. Os principais recursos são os motores com menor consumo de combustível e os Sharklets, dispositivos nas pontas das asas que ajudam a reduzir o arrasto aerodinâmico da aeronave. Segundo a Airbus, os jatos da família neo são até 15% mais eficientes comparados ao A320 da primeira geração e por isso podem percorrer maiores distâncias. E o modelo executivo pode ir ainda mais longe.

A versão comercial do A320neo pode ser configurada para transportar entre 165 e 195 passageiros, além de toda a bagagem. O ACJ320neo, por sua vez, leva apenas 25 ocupantes e desta forma parte dos compartimentos de carga são convertidos em tanques de combustível. Essa capacidade extra praticamente dobra o alcance do jato, que pode percorrer 11.000 km ou permanecer voando por 13 horas – o A320neo tem alcance máximo de 6.500 km.

A nova família de jatos executivos baseados no A320neo também inclui os modelos ACJ321neo e o ACJ319neo. Além das aeronaves “pequenas”, a Airbus Corporate Jets também oferece uma versão VIP para cada jato da Airbus, do novo A330neo ao gigante A380 – exceto a nova série A220.

Escolha um assento: a cabine do ACJ320neo pode levar até 25 passageiros, contra 195 do modelo comercial (Airbus)

Escolha um assento: a cabine do ACJ320neo pode levar até 25 passageiros (Airbus)

Quem compra esse tipo de jato executivo?

Jatos de negócios derivados de aeronaves concebidas para a aviação comercial são a escala máxima da aviação executiva. Aviões com fileiras intermináveis de assentos ganham salas de reunião, ambientes com sofás e até suítes privadas (com chuveiro) para poucos mais de 20 passageiros.

(Airbus)

Em de fileiras de assentos, uma sala ampla e confortável (Airbus)

Obviamente são aviões caríssimos: o ACJ320neo da Acropolis Aviation custou cerca de US$ 125 milhões (cerca de R$ 493 milhões), isso ainda sem contar a instalação da cabine de executiva, cujo valor também ultrapassa cifras milionárias.

Por conta desses preços altíssimos e o alto custo operacional, jatos executivos desse porte dificilmente são adquiridos por clientes privados, exceto por raros bilionários – milionários compram jatos executivos comuns. Os clientes mais comuns dessa categoria são empresas de voos charter de alto luxo e governos, que aproveitam o longo alcance dessas aeronaves para transportar autoridades em viagens oficiais.

O Brasil é um dos clientes da Airbus. O avião presidencial brasileiro é um jato A319CJ de primeira geração. A aeronave é operada pelo Grupo de Transporte Especial (GTE) da Força Aérea Brasileira designada como VC1-A.

O VC1-A pode voar de Brasília até Paris ou Washington sem escalas (FAB)

O VC1-A pode voar de Brasília até Paris ou Washington sem escalas (FAB)

Veja mais: Jato “off-road”, Pilatus PC-25 chega ao Brasil em 2019