O A220-300 deve ser um dos destaques da Airbus do Farnborough AirShow neste mês (Airbus)

O A220-300 pode percorrer até 5.950 km (Airbus)

A nova família de jatos comerciais da Airbus, o A220, recebeu aprovação para operações estendidas de 180 minutos da autoridade de aviação civil do Canadá, a Transport Canada. Essa certificação abre caminho para os operadores da aeronave (ex-Bombardier CSeries) iniciarem novos voos diretos sobre regiões de água, remotas ou sem aeroportos.

A homologação outorgada a favor do A220-100 e o A220-300 é a ETOPS, abreviação em inglês para “Extended Twin Engine Operations” (Operações Estendidas com Bimotores). A sigla vem sempre acompanhada do tempo em minutos (180 minutos do caso do A220) que uma aeronave pode permanecer distante de um aeroporto alternativo em caso de pane em um dos motores.



Como comparação, o Embraer E190, concorrente direto da série A220, tem certificação ETOPS 120 e o modelo de longo alcance Boeing 787, ETOPS 330.

“Sendo a única aeronave em produção em sua classe capaz de realizar tanto uma aproximação íngreme quanto operações de longo alcance, o A220 está definitivamente desbloqueando novas oportunidades de rotas para as companhias aéreas”, disse Rob Dewar, chefe de engenharia e suporte ao cliente do programa A220 da Airbus.

ETOPS

A certificação ETOPS foi uma mudança drástica nos conceitos antigos da aviação já que o uso de múltiplos motores era uma condição básica em qualquer avião que precisasse cruzar algum oceano. Como a confiabilidade não era tão grande quanto hoje e a potência dos propulsores, um tanto limitada, era natural projetar uma aeronave com ao menos três motores.

Algumas das rotas que o A220 agora é autorizado a voar (Airbus)

Algumas das rotas que o A220 agora é autorizado a voar (Airbus)

Foi assim até o advento do ETOPS na década de 1950 nos Estados Unidos. O FAA, equivalente à ANAC no Brasil, passou a exigir que aviões bimotores não voassem a mais de 60 minutos de um aeroporto alternativo em caso de pane – em outras palavras, o tempo que eles conseguiriam percorrer com apenas um motor funcionando.

Com os aviões cada vez mais velozes e mais confiáveis, as aeronaves comerciais equipadas com apenas dois motores aumentaram seus ETOPS ao ponto de ganharem permissão para cruzarem oceanos em voos diretos sem a necessidade de se manterem tão próximas de aeroportos alternativos.

Veja mais: Airbus bate recorde de entregas pelo 16° ano consecutivo