A330-200 da Aigle Azur: empresa francesa não tem sido transparente sobre sua situação no Brasil (Aigle Azur)

Enfrentando problemas financeiros desde 2012, a companhia aérea francesa Aigle Azur anunciou nesta segunda-feira (2) que decidiu declarar falência e entrar em processo de liquidação judicial após uma recente disputa entre acionistas.

O plano da companhia é vender uma participação total ou parcial para potenciais compradores em até dois meses. Espera-se que as propostas cheguem até 15 de setembro. Enquanto isso, a Aigle Azur informou que seus voos continuam operando normalmente, mas em “período de observação”.


Nos últimos dias a Aigle Azur passou por uma situação que ela mesmo descreveu como “totalmente feia”. Meios de comunicação informaram que o empresário francês Gerald Houa, que controla cerca de 19% da companhia, proclamou-se presidente da empresa aérea ao prometer uma injeção de 15 milhões de euros para ajudar em sua recuperação.

Houa foi demitido do posto dois dias depois ao ser rejeitado por 80% dos acionistas, entre eles David Neeleman, fundador da Azul, que detém 32% da transportadora francesa.

“Colocar-se sob a proteção da justiça é a solução mais sábia. Existe uma forte desconfiança entre os acionistas e o clima social está degradado “, afirmou uma fonte próxima ao processo da companhia ao jornal Le Figaro.

Com a saída de Houa, Frantz Evetin retornou ao cargo de CEO da empresa e pediu a nomeação de um administrador provisório. Yvetin é apoiado pelo grupo chinês HNA, que detém uma participação de 49% na Aigle Azur, hoje a segunda maior companhia aérea da França.


Ex-parceira da Azul

A Aigle Azur vem deixando muitos passageiros brasileiros que tem passagens compradas para a França preocupados nos últimos meses. A empresa anunciou que vai suspender sua rota entre Campinas e Paris no próximo dia 27 de setembro – as reservas serão encerradas antes, dia 9. Parte das vendas dos bilhetes nesse trecho é promovida pela Azul, que tem um acordo de compartilhamento de voos (code-share) com a companhia francesa válido até este mês.

A empresa francesa, porém, tem sido pouco clara sobre sua atuação no Brasil e nas poucas vezes em que se pronunciou o fez de forma confusa e com ausência de informações.

Após tentar contatar a Aigle Azur na França, Airway recebeu uma mensagem que foi repassada aos agentes de viagem em que a empresa informa que os bilhetes emitidos após o dia 27 de setembro serão reembolsados. Já os passageiros que embarcarem até essa data deveriam ser acomodados em voos da TAP, diz o texto.

A principal operação da Aigle Azul são voos entre a França e a Argélia. Além disso, a companhia também voa para o Líbano, Ucrânia, Rússia, Portugal e Mali. A frota da empresa é atualmente composta por dois Airbus A330-200 e sete A320, todos alugados.

Veja mais: Após 11 anos de espera, Azul estreia da Ponte Aérea Rio-São Paulo