A Airbus entregou 558 modelos A320, sendo 181 deles da nova série A320neo (Airbus)

Airbus A320neo da Azul: ele ampliou a rentabilidade da empresa em 29% (Airbus)

Quando David Neeleman fundou a companhia aérea americana JetBlue em 1999 já tinha em mente duas coisas: a padronização da frota por questões de economia e produtividade e a escolha do A320 como sua aeronave inicial. O jato da Airbus já despontava na época como o principal rival do Boeing 737, situação que hoje é bastante acirrada.

No Brasil, o empresário repetiu a estratégia, porém, optou por um avião menor e brasileiro, adequado às condições do transporte aéreo no país. A família de E-Jets da Embraer hoje tem a Azul como única cliente em nosso mercado, que tem em sua frota nada menos que 65 unidades das versões E190 e E195. Mas, quem diria, agora quem tem feito os olhos dos executivos da companhia brilharem é justamente o A320 mas na versão NEO, mais avançada e econômica.


Recebidos a partir de dezembro de 2016, os A320neo hoje formam a maior frota do gênero no Brasil com 14 unidades, superior à da Avianca (10 unidades) – a LATAM chegou a receber duas unidades mas as repassou para a divisão chilena embora vá receber novos aviões do tipo em breve.

A importância do A320neo na frota da Azul ficou clara durante apresentação dos resultados da companhia há alguns dias no chamado “Azul Day”, evento para investidores. Na ocasião, a companhia revelou que o jato da Airbus conseguiu ampliar a rentabilidade sobretudo em rotas de longa distância da empresa. De acordo com a empresa, o A320neo possui um custo por assento quilômetro cerca de 29% menor que o Embraer E195, então usado nesses destinos. Bem maior, o A320neo pode levar 174 passageiros contra apenas 118 do avião brasileiro.

Num documento apresentado no evento, a companhia define a grande vantagem do Airbus em relação ao E195: “o A320neo oferece 56 assentos adicionais praticamente sem custo adicional por voo, resultando em um custo por assento significativamente menor”.

Lâmina da apresentação da Azul: empolgação com possibilidade criada pelo A320neo (Reprodução)

A320 antigo 


Por essa razão, a ideia é ampliar a frota do modelo para 20 unidades até o final de 2018. A imagem do avião da Airbus é tão positiva dentro da Azul que para não perder capacidade de assentos durante a instalação do sistema de TV ao vivo nessa frota, a companhia decidiu alugar um A320ceo, a versão antiga e menos eficiente do avião “para compor a frota da companhia pelos próximos quatro meses enquanto realiza o processo gradual de instalação da TV ao vivo nos aviões A320neo”, diz nota enviada à redação de Airway.

Hoje o A320neo voa em rotas de longa distância como Campinas-Manaus, Campinas-Recife, Confins-Belém, mas também em trechos mais curtos e de alta demanda como Confins-Campinas e Santos Dumont-Campinas.

Das apostas de Neeleman uma permanece, a de ter o A320 na frota das empresas aéreas que fundou. Já a outra ficou pelo caminho, a padronização. Até mesmo a JetBlue hoje opera, além do A320, também o Embraer E190.

Veja também: Azul começa a voar do Recife para os Estados Unidos

Embraer E195: ele ainda é a base da frota da Azul mas vai perder espaço para o A320neo