MiG-29

Ao menos 200 caças MiG-29 Fulcrum, ou 70% do total das aeronaves em serviço pela Força Aérea Russa, estão muito velhos para tomar os céus publicou um jornal de negócios citando um jornalista militar do País. Depois que um MiG-29 caiu no leste da Sibéria em dezembro, o ministério da defesa admitiu pela primeira vez que a frota dos caças de fabricação local ultrapassaram sua vida útil e não estão mais adequados para assumir missões de combate. O acidente foi o segundo ocorrido no leste da Sibéria envovendo um caça MiG-29 em menos de dois meses.
Em outubro um MiG-29 caiu a 60km da base aérea de Domma durante exercícios regulares de treinamento de tripulação ao qual o piloto ejetou-se sem se ferir graças ao assento K-36. O General Sergei Bainetov disse esta semana que todas as aeronaves deste tipo foram inspecionadas depois do ocorrido e a provável causa do acidente “teria sido uma corrosão encontrada na unidade da cauda de algumas aeronaves”. Somente 30% dos MiG-29 receberam permissão para voar depois da suspensão das operações com a aeronaves.

O diário Kommersant disse em seu artigo que especialistas locais acreditam que a aeronave que foi desenvolvida nos anos de 1970 e fornecida a força aérea entre 1983 a 1993, veio a se tornar obsoleta e precisa ser removida das atividades de serviço.