A reportagem foi voando até o condomínio a bordo de um bimotor King Air (Thiago Vinholes)

A reportagem foi voando até o condomínio a bordo de um bimotor King Air (Thiago Vinholes)

Condomínios “Fly Inn” são famosos nos Estados Unidos. O ator John Travolta, que também é piloto, é uma das celebridades que possuem uma casa nesses conjuntos, onde os moradores compartilham uma pista e estacionam suas aeronaves em suas próprias garagens, ou melhor, hangares. Esse formato também já chegou ao Brasil, mas no litoral do Rio de Janeiro ele está surgindo de uma forma única no mundo, combinando espaços para aviões e barcos.

O Fly Inn Portobello, condomínio na região de Mangaratiba desde 2015, vem recebendo instalações para receber aviões, além de aumentar os canais que cercam o conjunto, por onde já era possível chegar de barco pelo mar e atracar em píer privativos.

“Aqui você pode chegar de avião ou de barco, ou até de helicóptero. Um condomínio com essas características não existe em nenhum outro lugar do mundo. Pode procurar”, afirmou Carlos Borges, proprietário do empreendimento e cuja família, conhecida no meio turístico nacional, fundou os famosos Hotel do Frade e Portogalo, também no litoral fluminense.

O aeródromo do condomínio já está pronto e, segundo a gerência do local, a pista tem 1.270 metros de comprimento por 30 m de largura. É quase a mesma extensão das pistas do Aeroporto Santos Dumont, na capital carioca.

“É uma pista que pode receber aeronaves para até 45 passageiros, como o turbo-hélice ATR 42. Também pode ser utilizada por jatos executivos. No entanto, a maior movimentação deverá ser de aviões de pequeno porte”, explicou Fernando Molinari, responsável pela administração da pista e co-piloto do Beechcraft King Air que levou a turma de jornalistas de São Paulo, a partir do Aeroporto Campo de Marte, até o condomínio em Mangaratiba.

De um lado da casa fica o píer e do outro, a taxiway para quem chega de avião (Divulgação)

De um lado da casa fica o píer e do outro, a taxiway para quem chega de avião (Divulgação)

O voo de São Paulo até o conjunto no RJ, no King Air a cerca de 300 km/h, levou 50 minutos, com direito a um sobrevoo em baixa altitude pelo aeródromo. Terminada a volta, a aeronave apontou para a pista e freou em poucos metros, até parar totalmente ao lado de um quiosque, onde fica o terminal de embarque e desembarque do fly inn. Quem vem do Rio de Janeiro nesse mesmo tipo aeronave, chega ainda mais rápido, em cerca de 20 ou 30 minutos.

“Já vendemos cinco lotes desse tipo, por isso aceleramos a construção da taxiway (pista de taxiamento). Também temos planos de construir uma estação meteorológica e quem sabe até oferecer pontos de abastecimento para quem vem de avião, especialmente em períodos de maior movimento”, antecipou o criador do condomínio, que de lambuja ainda fica a apenas 20 minutos de lancha das paradisíacas praias de Ilha Grande.

Quase um "Santos Dumont": a pista do condomínio de 1.270 metros de comprimento (Thiago Vinholes)

Quase um “Santos Dumont”: a pista do condomínio de 1.270 metros de comprimento (Thiago Vinholes)

Como funciona?

O projeto arquitetônico do condomínio permite construir casas que ficam posicionadas com uma ponta em frente ao canal e a outra com acesso direto a taxiway. Ou seja, que chega de avião ou de barco, pode estacionar no próprio lote.

“Invariavelmente, quem tem um avião de uso privado também tem um barco. Observamos que isso acontece em 80% dos casos aqui no Brasil. Os lotes que já estão vendidos foram comprados por clientes que possuem ou pilotam as próprias aeronaves e têm barcos de passeio”, revela Borges. “A proporção de quem tem barco e em seguida compra uma lancha é menor, cerca de 20%. Por outro lado, ainda vemos que os donos de aviões e barcos, em muitos casos ainda são proprietários de helicópteros”, completa.

Concepção artística da pista completa, com duas taxiways correndo entre os lotes (Divulgação)

Concepção artística da pista completa, com duas taxiways correndo entre os lotes (Divulgação)

Como explicou o criador do empreendimento, os primeiros compradores de lotes no Fly Inn Portobello voam em aeronaves como o King Air e o monomotor Beechcraft Bonanza. “Esse lugar é para amantes do aviação. É o sonho do sujeito, normalmente um ‘piloto-proprietário, um lugar onde pode chegar com seu avião ou barco”, afirma Borges, que também é piloto, de aviões e barcos.

Como também é um aeroporto, o condomínio em Mangaratiba precisa seguir regras da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e isso inclui algumas restrições. As casas com saída para a taxiway não podem ter mais do que dois andares e os condôminos não podem plantar árvores muito altas. Outro “item” proibido no fly inn são animais de estimação, para evitar invasões na pista. “Não pode cachorro, nem palmeira imperial”, brincou o dono do conjunto.

Outra regra, desta vez respeitando a legislação ambiental da região, é a exigência de que os hangares nos lotes sejam pintados de verde, para não poluir visualmente a área.

Quanto custa?

O condomínio em Mangaratiba tem lotes de diferentes tamanhos, mas todos compartilham entre si os acessos por mar ou ar. O menor terreno, de 1.000m², custa R$ 1 milhão. Estão ainda disponíveis terrenos de 3.000 m², 5.000 m² e 7.000 m², a maior opção.

“Temos mais interessados do que muitos possam imaginar. E não são apenas pessoas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Também já recebemos consultas de pessoas de Minas Gerais, Mato Grosso e até do exterior. Claro, é uma compra demorada e muito complexa, mas o potencial de crescimento nos próximos anos é grande”, vislumbra o proprietário do projeto.

Para levantar uma casa no conjunto, Borges avalia que é necessário no mínimo R$ 1,5 milhão. Para quem não tem dinheiro para comprar um terreno, ou ter um avião e uma lancha, também pode usufruir do Fly Inn Portobello, que também possui um hotel, o Portobello Resort & Safari.

Mangaratiba é o ponto mais próximo de Ilha Grande; o trecho de lancha leva apenas 20 minutos (Thiago Vinholes)

Mangaratiba é o ponto mais próximo de Ilha Grande; o trecho de lancha leva apenas 20 minutos (Thiago Vinholes)

Outros condomínios com pistas de pouso também estão surgindo em outras localidades do Brasil, em especial em Santa Catarina e interior de São Paulo, embora sem acesso para embarcações. Outros nomes nesse ramo são o Condomínio Aeronáutico Costa Esmeralda, em Porto Belo (SC), e o  Vale Eldorado, em Bragança Paulista (SP).

Apenas para constar, além dos acessos para aviões, helicópteros e barcos, o Fly Inn Portobello, na beira da Rodovia Rio-Santos, também tem entrada para carros…

Veja mais: Impressões de um voo da Avianca até a Colômbia, em duas classes