As primeiras aeronaves com canhões de lasers devem surgir na próxima década (DARPA)

As primeiras aeronaves com canhões de lasers devem surgir na próxima década (DARPA)

Vão se os canhões, entram os lasers! A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) solicitou um financiamento ao Departamento de Defesa para iniciar a modificação de uma aeronave Lockheed AC-130 Spectre e equipá-lo com lasers de alta energia, uma nova arma que está sendo desenvolvida nos EUA pela Agência de Projetos e Pesquisas Avançadas de Defesa, a DARPA.

Segundo o porta-voz da USAF, tenente-general Brad Webb, se o orçamento for aprovado, o projeto pode ser iniciado em 2020, na Base Aérea de Cannon, no Novo México. O valor do programa, porém, ainda não foi divulgado.

O canhão de laser, chamado HELLADS (sigla em inglês para Sistema de Defesa Aérea por Laser Líquido de Alta Energia), produz em feixe de alta temperatura capaz de destruir alvos aéreos ou terrestres, seja a partir de posições em solo ou a partir de aviões, como a USAF planeja fazer com a versão armada do C-130 Hercules. A imprensa americana apelidou a nova arma de “laser da morte”.

O equipamento ainda está em fase de desenvolvimento, mas a DARPA afirma já ter realizado testes bem sucedidos, apesar de não ter divulgados dados detalhados ou imagens da ação.

De acordo com o site FlightGlobal, a tecnologia ainda enfrenta problemas para operar em diferentes climas e condições atmosféricas. Além disso, é uma arma grande, pesada e que consome muito energia. Segundo a DARPA, o canhão pesa mais de 700 kg e tem cerca de três metros de comprimento, o que exige uma aeronave de grande porte – a agência também já sugeriu aplicar o canhão no bombardeiro B-1 Lancer.

Como mencionou Webb, o plano é substituir o canhão de 30 mm do AC-130 pelo laser de alta energia. O Spectre, uma canhoneira voadora de apoio a missões terrestres, ainda pode carregar canhões de 20 mm e 40 mm, e até um poderoso obus de 105 mm.

Nota editor: O canhão laser certamente não tem o mesmo “tranco” das outras armas do Spectre.

Veja mais: “Expresso Cubano”, o avião mais sequestrado da história