O caça F-35 é proposto em três versões diferentes, por isso seu alto custo (Divulgação)

O caça F-35 é proposto em três versões diferentes, por isso seu alto custo (Divulgação)

O novo presidente eleito dos Estados Unidos, o mega empresário Donald Trump, anda falando bastante sobre aviões e seus custos. Depois de criticar o valor do novo Air Force One cobrado pela Boeing, a escolhida no programa, Trump publicou um tweet em sua conta oficial nesta segunda-feira (12) que abalou as estrutura da Lockheed Martin, uma das principais fabricantes de aeronaves e material militar dos EUA.

“O programa e o custo do F-35 estão fora de controle. Bilhões de dólares podem e serão salvos em compras militares (e outras) após 20 de janeiro”, escreveu Trump na rede social, indicando que pode realizar cortes no desenvolvimento do caça F-35 Lightning, depois de assumir o posto de presidente, dia 20 de janeiro de 2017.

A declaração de Trump foi o suficiente para causar uma desvalorização de 3% nas ações da Lockheed Martin, o equivalente a cerca de US$ 3,5 bilhões. O programa de desenvolvimento do caça F-35 é o mais caro da história da aviação, avaliado em cerca de US$ 400 bilhões.

As ações da britânica BAE Systems e da norte-americana Northrop Gumman, que também participam do programa, também caíram 1,3% e 4%, após o tweet de Trump.

“Desde o início, investimos milhões de dólares para reduzir o preço do avião em cerca de 70% em relação ao custo original”, disse Jeff Babione, diretor da Lockheed Martin responsável pelo programa do F-35, ao jornal Independent.

Veja mais: Caças F-22 estão perdendo revestimento “invisível”