O Embraer KC-390 vai substituir os veteranos turbo-hélices C-130 Hercules (FAB)

O Embraer KC-390 vai substituir os veteranos turbo-hélices C-130 Hercules (FAB)

A Força Aérea Brasileira (FAB) vive um momento de importantes mudanças como nunca teve em mais de 75 anos de existência, com importantes programas de desenvolvimento de aeronaves e armamentos. E todos os projetos estão correndo sem contratempos e assim devem seguir até serem concluídos, garantiu o brigadeiro Paulo Roberto de Barros Chã, gerente de desenvolvimento do Ministério da Defesa, no 1º Fórum Asas, realizado nesta terça-feira (9) em São Paulo.

As aeronaves em desenvolvimento são o novo caça Saab Gripen NG e o cargueiro militar Embraer KC-390. “O comando da Aeronáutica visualiza esses projetos como prioritários. Até o momento, a crise econômica não impactou na cronologia original dos projetos”, explicou o brigadeiro Chã. “Se houver atrasos, todos os outros projetos podem ser afetados e até se tornarem inviáveis”, acrescentou.

Como explicou o brigadeiro Chã, o Ministério da Defesa está empenhado na “gestão de gastos para não ter atrasos” nos programas, mesmo diante da crise econômica que ainda paira pelo Brasil. “Não é apenas uma aquisição de aeronaves. Esses programas vão dar a indústria brasileira maior autonomia nesses segmentos”, afirmou.

Uma das partes mais importantes do programa de desenvolvimento do caça Gripen NG é a transferência de tecnologia. Além de equipar a FAB – o contrato inicial prevê a aquisição de 36 aeronaves – a indústria brasileira vai “aprender” a projetar e fabricar aviões militares supersônicos. Parte dos caças será fabricado pela Embraer, em Gavião Peixoto (SP). As primeiras unidades estão programadas para serem entregues à FAB em 2019.

"“O comando da Aeronáutica visualiza esses projetos como prioritários", afirmou o brigadeiro Chã, sobre os programas Gripen NG e KC-390 (Airway)

““O comando da Aeronáutica visualiza esses projetos como prioritários”, afirmou o brigadeiro Chã, sobre os projetos do Gripen NG e o KC-390 (Airway)

Já o KC-390, segundo o brigadeiro, pode ser um dos principais produtos de exportação do Brasil nos próximos anos. “Existe um potencial de exportação de US$ 20 bilhões com o KC-390 nos próximos 20 anos”, contou o militar.

“Já cumprimos cerca de 94% do desenvolvimento da aeronave, com mais de 1.000 horas de voo somadas em dois protótipos. Ainda vamos precisar de mais um avião para o processo de certificação, um modelo com a configuração de série”, acrescentou o brigadeiro.

A expectativa do brigadeiro com o cargueiro projetado pela Embraer é conseguir atrair países que buscam alternativas para substituir suas antigas frotas de cargueiros militares, em muitos casos formadas por modelos C-130 Hercules.

O primeiro KC-390 será entregue à FAB em 2018. Ao todo, o contrato prevê a entrega de 28 aeronaves por um período de 12 anos. O novo modelo a jato vai substituir gradualmente os veteranos Hercules, apresentando desempenho superior e maior capacidade de carga.

Os primeiros Gripen NG chegam ao Brasil a partir de 2019 (FAB)

Os primeiros Gripen NG chegam ao Brasil a partir de 2019 (FAB)

Míssil brasileiro

Outro programa considerado prioritário pela Aeronáutica é o projeto do míssil “ar-ar” A-Darter, desenvolvido em parceria com a África do Sul. De acordo com o brigadeiro Chã, os primeiros testes com o novo armamento já foram iniciados e a expectativa é de que as primeiras unidades sejam entregues quando o Gripen NG for incorporado pela FAB, em 2019.

O A-Darter é um míssil concebido para combater aeronaves. Como explica a FAB, trata-se de uma armamento de quinta geração, orientado por infra-vermelho, de curto alcance, entre 8 e 12 km.

O míssil A-Darter é concebido para o combate "ar-ar"(Divulgação)

O míssil A-Darter é concebido para o combate “ar-ar”(Divulgação)

Veja mais: Primeiro SC-105 “Persuader” da FAB já está pronto