O Gripen NG é projetado para voar a velocidade acima de 2.200 km/h (SAAB)

O Gripen NG é projetado para voar a velocidade acima de 2.200 km/h (SAAB)

A SAAB realizou nesta quinta-feira (15) o primeiro voo do Gripen E, o novo caça que vai equipar a Força Aérea Brasileira (FAB). A aeronave decolou do aeródromo da fabricante em Linköping, na Suécia, e voou durante 40 minutos e retornou em segurança. Durante o teste, o avião realizou uma série de avaliações, incluindo a retração e extensão do trem de pouso.

“O voo foi exatamente como o esperado, com o desempenho da aeronave combinando a experiência em nossas simulações. Seu desempenho de aceleração é impressionante, com um bom manuseio. Estou muito feliz por ter pilotado neste voo inaugural “, disse Marcus Wandt, piloto de teste da Saab.

Segundo declaração de Jonas Hjelm, vice-presidente da área de negócios da Saab, o programa de desenvolvimento da aeronave “está no caminho certo” e as primeiras unidades serão entregues ao Brasil e Suécia a partir de 2019.

Em outubro de 2014, o Brasil assinou um contrato de US$ 5,4 bilhões para compra de 36 caças Gripen de nova geração. Já a Suécia, o outro cliente confirmado do avião militar, vai adquirir 60 unidades da aeronave, também conhecida como Gripen NG.

O acordo assinado entre Brasil e Suécia também prevê a transferência de tecnologia para a industria brasileira. Parte do lote de caças encomendado para a FAB será construída no Brasil, pela Embraer, processo que já foi iniciado na unidade da empresa brasileira em Gavião Peixoto (SP), no “Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen”.

Outra responsabilidade do centro em Gavião Peixoto será o desenvolvimento e produção do Gripen F, a versão do caça para dois pilotos (biposto). A FAB encomendou oito unidades dessa opção, que mantém as características de combate mas também servirá na formação de novos pilotos.

Caça multimissão

O novo Gripen é uma aeronave que pode atuar em diferentes funções. Além de caça de interceptação, também pode ser utilizado como bombardeiro e avião de reconhecimento armado.

De acordo com o fabricante sueco, o Gripen E pode voar a mach 1 (velocidade do som – 1.234 km/h) sem a necessidade de usar pós-combustor (quando o motor atua como se fosse um foguete) e, com força total, pode alcançar a velocidade máxima de 2.200 km/h.

Já o autonomia do caça, comparado ao das versões anteriores, aumentou 50%, mesmo sem a necessidade de reabastecimento aéreo. Em configuração de combate (armado com quatro mísseis e levando dois tanques de combustível externos), a nova geração do Gripen tem alcance de 1.800 km.

O Gripen vai retomar a capacidade da FAB com aeronaves capazes de voar a mach 2 (SAAB)

O Gripen vai retomar a capacidade da FAB com aeronaves capazes de voar a mach 2 (SAAB)

O sistemas que equipam a nova geração do Gripen vão permitir o uso de mísseis ar-ar (de interceptação aérea) e ar-terra de médio e longo alcance orientados por radar, bombas “inteligentes” guiadas a laser, além de uma série de outros recursos, como sensores infra-vermelho de busca e equipamentos de guerra eletrônica, como perturbadores de radares e rádios.

O Gripen da FAB

O pacote de tecnologias para o Gripen escolhido pelo Brasil o torna mais avançado que a série selecionada pelos suecos. Além dos tanques de combustível internos de maior capacidade, o que vai exigir a instalação de um trem de pouso mais robusto, o caça da FAB ainda terá um dos painéis de controle mais impressionantes da aviação militar.

Em vez de três telas digitais separadas, como é a versão do Gripen E configurada pelos suecos, o modelo da FAB contará com um painel panorâmico WAD (Wide Area Display), que reunirá todas as informações em apenas uma tela.

Atualmente, somente o caça norte-americano F-35 possui o display panorâmico (Divulgação)

Atualmente, somente o caça norte-americano F-35 possui o display panorâmico (Divulgação)

O Gripen “brasileiro” ainda terá um novo sistema de comunicação com dois rádios e sistema de encriptação, equipamentos de interceptação e destruição de mensagens, sensores infravermelho de busca e salvamento, além de ligação por datalink, recurso que permitirá ao caça “conversar” por meio de sinais eletrônicos com outros aviões e torres de controles.

E tem mais: o Gripen da FAB será equipado com recursos para minimizar a “assinatura radar” do avião, o que dificulta sua identificação e localização (na eventualidade de um combate), e o “Helmet Mounted”, um óculos acoplado ao capacete do piloto que funciona como uma espécie de monitor de ataque e reconhecimento de alvos.

Pela primeira vez em 75 anos de existência, a FAB terá uma aeronave de superioridade aérea avançada de acordo com a tecnologia de seu tempo. Em termos de capacidade de combate e alcance operacional, o Gripen NG pode cumprir a mesma tarefa de quatro caças F-5 Tiger, atualmente a principal e mais rápida aeronave militar em serviço no Brasil.

Veja mais: Portugal inicia processo de compra do KC-390