A Lion Air é a dona do 737 MAX que será usado pela Malindo Air (Boeing)

Nem Southwest muito menos a Norwegian, duas companhias aéreas conhecidas no mundo. A primeira operadora do novo Boeing 737 MAX 8 será a Malindo Air, uma pequena companhia aérea da Malásia. Chandran Rama Muthy, CEO da empresa, anunciou nesta semana que “a Malindo Air  está muito orgulhosa de anunciar que será a primeira companhia aérea no mundo a levar passageiros nessa inovação tecnológica”.

A encomenda de oito Boeing 737 MAX 8, menor versão do modelo, foi feita pelo grupo indonésio Lion Air Group, principal acionista da Malindo. Quatro deles serão recebidos em maio pela empresa malaia e entrarão em serviço em seguida – a outra metade ficará com a Lion Air, outra companhia aérea do grupo.

Corrida para ser o primeiro

O novo Boeing 737 MAX, cuja versão 8 acaba de receber a certificação de tipo, é um modelo aprimorado do jato comercial mais vendido do mundo. Com melhorias aerodinâmicas, aviônicos e motores mais avançados, ele é mais eficiente e capaz que qualquer outro 737 já criado. A gigante low-cost americana Southwest, parceira da Boeing há muitos anos, foi a primeira companhia a encomendar o aparelho, em dezembro de 2011. Ela receberá as primeiras unidades também em maio, porém, só pretende colocá-los em operação em outubro. Conhecida por seguir seus planos de expansão de forma metódica, a Southwest diz não precisar do novo avião até que os atuais 737 sejam aposentados.

737 da Southwest decola: companhia americana foi a primeira cliente, mas só usará o avião em outubro (Southwest)

Por isso, a Norwegian Air, da Noruega, segunda companhia a anunciar uma encomenda do 737 MAX, seria a natural cliente de lançamento (launch costumer) do jato. No entanto, os europeus também não pretendem colocá-lo em voos comerciais até o final de junho.

Projeção do 737 MAX da Norwegian: voos em junho (Boeing)

Graças a esses planos, a jovem Malindo Air, dona de apenas 40 aviões (24 deles Boeing 737 das versões 800 e 900) poderá escrever na história da aviação que foi a primeira empresa a transportar passageiros com o 737 MAX, um feito nada desprezível. Parece algo trivial, mas ter esse privilégio pode ser usado como uma forma de divulgação eficiente. A japonesa ANA, por exemplo, viu suas cores replicadas no mundo inteiro na época em que os protótipos do 787 eram divulgados na mídia e mesmo nas visitas que eles faziam.

No Brasil, a Gol é a única cliente do novo Boeing. A empresa brasileira encomendou 60 unidades em 2012 e deve recebê-las a partir de meados de 2018. Até março de 2017, o 737 MAX já acumulava 3.621 encomendas.

Veja mais: Boeing revela primeira imagem do maior 737 já proposto