O "Museu Asas de um Sonho" reúne antigas aeronaves utilizadas pela TAM, como o Fooker 27 (Thiago Vinholes)

O museu reúne antigas aeronaves utilizadas pela TAM, como o Fooker 27 (Thiago Vinholes)

O Museu da TAM em São Carlos (SP), o maior do mundo criado por uma companhia aérea, está temporariamente fechado desde a última sexta-feira (29/1).

Em comunicado, a companhia afirma que “a decisão está atrelada ao acirramento dos desafios econômicos do país, provocado pelo aumento da inflação e pela alta do Dólar em relação ao Real, resultando numa desaceleração do setor aéreo. Este cenário demonstrou a necessidade de um estudo interno de viabilidade econômica do museu, que deverá ocorrer ao longo deste ano”. Durante este período de análise, as atividades do museu estarão suspensas.

“A Tam ressalta ainda, que tentou de todas as formas buscar alternativas para manter o espaço em funcionamento, mas infelizmente diante de um cenário econômico desafiador, não foi possível”, completa a empresa.

Com baixo movimento de público e um alto custo de manutenção, o “Museu Asas de um Sonho”, possui um acervo com mais de 90 aeronaves de diferentes épocas. A coleção possui aeronaves clássicas do passado da companhia, como os Fokker 27 e Fokker 100, e preciosidades como um Lockheed Constellation e os antigos caças F-4 Corsair o P-47 Thunderbolt com as cores do grupo de caça “Senta a Púa!” da Força Aérea Brasileira (FAB).

Ciente da intenção da Tam em desativar o museu, a FAB, em contato com o Airway, confirmou que sugeriu à empresa mover o acervo para as instalações militares no Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo (SP). O assunto, porém, ainda não foi adiante.

A departamento de comunicação da FAB frisou que o governo e a prefeitura de São Paulo, além de outras entidades, como a direção de Campo de Marte e os responsáveis pelo acervo da Tam, estão trabalhando para transferi-lo para São Paulo. A mudança, porém, pode alterar a configuração (e até o nome) do museu, que poderá ser assumido por outros órgãos.

A assessoria de imprensa da companhia não tem nenhum posicionamento sobre a mudança da coleção para a capital paulista. Apesar da enorme coleção de raros aviões e helicópteros, o museu da Tam nunca registrou grande movimentação de público. O local fica a cerca e 250 km do centro de São Paulo, um dos motivos pelo qual quase sempre tem poucos visitantes.

Veja mais: Fokker 100 se despede do Brasil