Aeroporto Salgado Filho: Fraport levou também o terminal de Fortaleza (GF)

Nem um desastre, mas também longe de ser um sucesso. Assim foi o terceiro leilão de aeroportos da Infraero realizado nesta quinta-feira (16) na Bolsa de Valores de São Paulo. Do valor mínimo previsto no edital, de R$ 3,014 bilhões, os vencedores irão pagar ao governo federal R$ 3,72 bilhões, ágio de apenas 23,4%.

Mas o receio de que algum dos aeroportos não obtivesse interessados não ocorreu. Como apenas três consórcios participaram do certame havia o risco de algum dos quatro aeroportos não ter interessados por conta da regra que não permitira um grupo levasse dois terminais da mesma região. Como a Fraport venceu em duas regiões diferentes, esse temor se esvaiu. Agora, as três empresas terão de pagar ao governo uma parcela de 25% sobre suas ofertas, ou seja, 930 milhões de reais.

Embora fosse parceira da Infraero, a Fraport, que administra o aeroporto de Frankfurt, entre outros, enfim colocará os pés no Brasil. A empresa participou de outros leilões, mas não obteve sucesso. Agora, terá dois aeroportos nos extremos do Brasil e que podem servir de hubs especializados – Fortaleza deve se transformar num distribuidor de passageiros estrangeiros para o Nordeste e Norte e Porto Alegre ampliar seu papel em relação ao Cone Sul, por exemplo.

A Vinci, por sua vez, terá nas mãos um aeroporto problemático, mas com enorme potencial turístico. Salvador é o maior dos quatro aeroportos leiloados e pode recuperar terreno perdido para Recife, considerado hoje um dos melhores terminais brasileiros – é administrado pela Infraero.

Já a Zurich, que já atua no país no aeroporto de Confins, em parceria com o grupo CCR, assumirá o aeroporto mais precário dos quatro. Será necessário construir um novo terminal além de uma pista de táxi completa – hoje os aviões têm que manobrar na própria pista de pouso. Veja a seguir mais detalhes sobre cada aeroporto e o valor pago por eles:

O aeroporto de Salvador é o pior para os passageiros, segundo a ANAC (GF)

Aeroporto Luís Eduardo Magalhães (Salvador)

Consórcio vencedor: Vinci Airports

Lance vencedor: R$ 660.943.107 (25% do lance mínimo mais ágio)

Investimento mínimo: R$ 2,35 bilhões.

Fase 1B: ampliação do terminal de passageiros e estacionamento (1.630 vagas), ampliação do pátio de aeronaves com 17 pontes de embarque e 10 posições remotas.

Fase 1C: ampliação do terminal de passageiros e estacionamento (2.010 vagas), ampliação do pátio de aeronaves com 19 pontes de embarque e 8 posições remotas, construção de nova pista de pouso e decolagem com 2.160 metros.

Uma das portas de entrada de turistas internacionais no Brasil, o aeroporto de Salvador é atualmente o de pior avaliação do público, segundo pesquisa da ANAC. Não é só: o terminal foi o segundo que mais perdeu passageiros no ano passado, só ficando à frente de Manaus.

À direita, o terrão onde deveria existir a extensão do terminal de passageiros desde a Copa de 2014 (GF)

Aeroporto Pinto Martins (Fortaleza)

Consórcio vencedor: Fraport AG

Lance vencedor: R$ 403.230.346 (25% do lance mínimo mais ágio)

Investimento mínimo: R$ 1,401 bilhão

Fase 1B: ampliação do terminal de passageiros e ampliação do pátio de aeronaves com 12 pontes de embarque e 5 posições remotas.

Fase 1C: ampliação do terminal de passageiros, ampliação do pátio de aeronaves com 14 pontes de embarque e 7 posições remotas e ampliação a pista de pouso e decolagem opara 2.755 metros.

Durante a Copa do Mundo de 2014, o aeroporto de Fortaleza simbolizou o descaso com as obras públicas no Brasil. Um novo terminal, contíguo ao atual, deveria ter sido construído a tempo do evento de futebol, mas apenas um enorme canteiro de obras restou de uma licitação mal conduzida pelo governo. É esse o ‘legado’ que o operador privado assumirá no dia 16.

Salgado Filho, em Porto Alegre: terminal antigo (no alto) reativado em 2010 (GF)

Aeroporto Salgado Filho (Porto Alegre)

Consórcio vencedor: Fraport AG

Lance vencedor: R$ 230.512.229 (25% do lance mínimo mais ágio)

Investimento mínimo: R$ 1,902 bilhão

Ampliação do terminal de passageiros e estacionamento (4.300 vagas), ampliação do pátio de aeronaves com 14 pontes de embarque e 8 posições remotas e ampliação da pista de pouso e decolagem para 3.200 metros.

O aeroporto Salgado Filho será leiloado sem que as polêmicas que o envolvem sejam resolvidas. Até não muito tempo, a intenção era que Porto Alegre ganhasse outro aeroporto já que o atual terminal está espremido dentro da cidade. Mesmo com a construção do atual terminal, inaugurado em 2001, nove anos depois o velho terminal foi reativado.

Aeroporto de Florianópolis: estado mais precário entre os leiloados (Governo Federal)

Aeroporto Hercílio Luz (Florianópolis)

Consórcio vencedor: Zurich International Airport AG

Lance vencedor: R$ 58.333.333 (25% do lance mínimo mais ágio)

Investimento mínimo: R$ 960,7 milhões.

Construção de novo terminal de passageiros com novo estacionamento (2.530 vagas), ampliação do pátio de aeronaves com 10 pontes de embarque e 6 posições remotas, ampliação da pista de pouso e decolagem com 2.400 metros e construção de pista de táxi paralela à pista com ligação direta em suas cabeceiras.

O Hercílio Luz é o aeroporto mais precário dos quatro a serem leiloados. É o único entre os maiores terminais brasileiros a não ter um terminal novo e com pontes de embarque. A obra, inclusive, chegou a ser licitada pela Infraero, mas não saiu do papel.