O C919 tem o mesmo porte e capacidade da dupla Airbus A320 e Boeing 737 (Divulgação)

O C919 tem o mesmo porte e capacidade da dupla Airbus A320 e Boeing 737. Só falta voar… (Divulgação)

Airbus e Boeing, atualmente os fabricantes de aviões comerciais de maior sucesso do mundo, poderão deixar de ganhar cerca de US$ 223 bilhões nos próximos 20 anos. Essa é a quantia que a COMAC, maior fabricante de aeronaves da China, pode faturar até 2035 com o jato comercial C919, modelo projetado para concorrer com os tradicionais A320 e B737.

O C919, maior avião comercial já desenvolvido na China, tem seu primeiro voo agendado para o próximo mês e a fabricante espera ter o modelo pronto para operações comerciais a partir de 2019. É neste ponto que podem começar os problemas para Airbus e Boeing, uma vez que a meta da COMAC é tomar para si nas próximas duas décadas um terço do mercado chinês de jatos narrowbody (fuselagem estreita) e mais um quinto desse filão no mercado global, o que representa cerca de 2.500 aeronaves – a demanda mundial nesse período será de aproximadamente 5.600 aviões de fuselagem estreita.

O avião chinês tem a seu favor o preço mais em conta, abaixo da média de US$ 97 milhões do A320 e o 737, e o enorme mercado chinês, que tende a dar preferência ao modelo nacional. A disseminação mundial do C919, porém, vai exigir certificações de importantes órgãos de aviação internacionais, como a EASA, na Europa, e o FAA, nos Estados Unidos.

Este é o desafio que o COMAC ARJ21, o primeiro jato comercial desenvolvido na China, enfrenta neste momento. A aeronave, em operação desde 2015, foi certificada apenas pelo órgão de aviação chinês (o CAAC) e por enquanto não pode ser operado por empresas aéreas de outros países.

Primeiro jato comercial chinês, o ARJ21 por enquanto só pode ser operado na China (Peng Chen)

Primeiro jato comercial chinês, o ARJ21 por enquanto só pode ser operado na China (Peng Chen)

A COMAC também está trabalhando no desenvolvimento do jato comercial de grande porte C929, aeronave que a mídia ocidental apelidou de “Boeing 777 chinês”. Segundo a fabricante, o modelo terá capacidade para transportar até 350 passageiros e alcance de 14.000 km. A apresentação da aeronave é aguardada para 2022, enquanto o primeiro voo foi programado para 2025.

Fonte: Seeking Alpha

Veja mais: Aviões “Made in China”