De sequestrador a ícone pop, "Dan Cooper" já inspirou livros, filmes e músicas (FBI)

De sequestrador a ícone pop, “Dan Cooper” já inspirou livros, filmes e músicas (FBI)

No dia 24 de novembro de 1971, véspera do feriado de ações de graças nos Estados Unidos, um homem que se identificou à companhia aérea Northwest Airlines apenas como “Dan Cooper” realizou uma das maiores façanhas da aviação comercial ao sequestrar um Boeing 727 e fugir com US$ 200 mil saltando de paraquedas pela porta traseira da aeronave. O caso, encerrado pelo FBI em 2016, é até hoje o único sequestro de avião que nunca foi solucionado. A história, porém, pode ter ganhado mais um capítulo.

Cientistas amadores, membros do grupo “The Citizen Sleuths”, dedicados a investigar o caso do sequestro de 1971, afirmam ter encontrado evidências em um simples clipe de gravata que podem apontar a identidade do suspeito. A peça, usada pelo sequestrador no dia da ação e abandonada na aeronave, contém elementos microscópicos que podem ligá-lo à indústria aeroespacial dos EUA, mais precisamente a Boeing.

Após uma minuciosa análise da peça em microscópio eletrônico, os cientistas encontraram mais de mil partículas de cério, sulfato de estrôncio e titânio puro, componentes que eram comuns nas linhas de montagens de aviões da Boeing nos anos 1970, em especial na produção de aeronaves militares supersônicas.

Tom Kaye, paleontólogo e principal pesquisador do grupo, afirmou a rede CBS que os produtos químicos indicam que sequestrador poderia ter sido um empregado da Boeing entre o final da década de 1960 e início dos anos 1970. Em outras palavras, o clipe de gravata deixado na aeronave sequestrada pode ter “passeado” por ambientes de produção da fabricante.

“A gravata foi com ele para esses ambientes de produção, com certeza. Então ele não era uma das pessoas que executavam essas máquinas de fabricação. Ele era um engenheiro ou um gerente em uma das plantas “, disse Kaye. Funcionários de linha de montagem vestem uniformes especiais e não roupa social com gravata.

Apesar do caso já ter sido encerrado pelas autoridades dos EUA, a suposta evidência sobre a real identidade do sequestrador aumentou o debate sobre o misterioso sequestro da aeronave da Northwest Airlines. O tema já inspirou teorias da conspiração, livros, séries de televisão, filmes e até músicas, a ponto de Dan Cooper ser considerado um ícone cultural americano.

Representação artística de como pode ter sido a espetacular fuga de 'Dan Cooper' (Photobucket)

Representação artística de como pode ter sido a espetacular fuga de ‘Dan Cooper’ (Photobucket)

O sequestro

O voo 305 da Northwest Airlines foi sequestrado por um passageiro identificado apenas como “Dan Cooper”, após uma ameaça de bomba. A aeronave, um Boeing 727, cumpria a rota Portland – Seattle, uma curta viagem de 30 minutos, até o sequestrador tomar o controle da tripulação em silêncio e fazer suas reivindicações. O jato levava apenas 36 passageiros.

A aeronave seguiu o percurso normal, pousando em Seattle, onde os passageiros foram liberados. No entanto, com os tripulantes ainda como reféns, o sequestrador pediu US$ 200 mil, conjuntos de paraquedas e solicitou que o avião decolasse novamente, em direção a Cidade do México. Todos os pedidos foram acatados pela companhia aérea.

Demonstrando alto conhecimento sobre aeronaves, “Cooper” pediu aos pilotos que a aeronave voasse seguindo uma série de especificações e, momentos após a decolagem, saltou de paraquedas pela porta traseira do 727.

Veja mais: Emirates anuncia operação regular para o Brasil de A380