A e-volo quer revolucionar o transporte aéreo urbano com o Volocopter (Divulgação)

A fabricante alemã e-volo quer revolucionar o transporte aéreo urbano com o Volocopter (e-volo)

A maior feira de aviação geral da Alemanha, a AERO, realizada neste mês em Friedrichshafen, contou com a presença da versão de série do Volocopter 2X, um novo tipo de aeronave que a fabricante alemã e-volo descreve como “multicóptero”. Parecido com um helicóptero, o aparelho voa com a força de aceleração de nada menos que 18 rotores, todos movidos exclusivamente por eletricidade.

O Volocopter 2X é a evolução do protótipo CV200, que voou pela primeira vez no ano passado. Como explica a fabricante, a aeronave para dois ocupantes é projetada para o uso diário, de preferência em centros urbanos. Por isso, a e-volo afirma que o aparelho será fácil de pilotar e, futuramente, também planeja desenvolver uma versão de condução autônoma, proposta como “táxi-voador”.

Por ser uma máquina voadora totalmente nova, o Volocopter vai precisar de algumas modificações nas legislações aéreas da Alemanha. A e-volo trabalha para certificar a aeronave na categoria dos ultraleves, no formato de multicóptero. Já a licença para pilotá-lo será a de piloto esportivo. De acordo com a empresa, as demonstrações aéreas com o aparelho serão realizadas no decorrer deste ano, com modelos pré-série.

O Volocopter 2X pode decolar com peso máximo de 450 kg (vazio pesa 290 kg). A autonomia do aparelho, de apenas 27 km (ou 30 minutos de voo), ainda não impressiona, mas a fabricante criou um sistema de baterias removíveis que podem ser substituídas por outras recarregadas em poucos minutos. Já a velocidade máxima é limitada em 50 km/h.

Além de não emitir agentes poluentes, a motorização elétrica também permite ao multicóptero alemão ser muito silencioso. Segundo a fabricante, em plena aceleração o modelo tem um nível de ruído de apenas 65 decibéis, o equivalente ao volume de um aparelho de ar-condicionado. Um helicóptero, como comparação, emite até 140 db.

Veja mais: FAB planeja avião não-tripulado hipersônico para 2020