Dassault Rafale

Como era esperado, a FAB voltou a prorrogar o prazo para entrega de propostas para o programa FX-2. A longa e inconclusiva seleção já está anos atrasada e parece cada vez mais complicada.

Agora a Dassault, a Boeing e a Saab poderão melhorar suas propostas até o dia 2 de outubro. Mesmo com a declarada preferência do presidente Lula e do Ministro da Defesa, Nelson Jobim, ao caça Rafale, a concorrência esquentou. Já há muitas correntes contra o aparelho francês, considerado o mais caro de adquirir e de ser mantido.

Segundo reportagem da revista Exame, tanto a FAB quanto a Embraer teriam preferência pelo F/A-18 Super Hornet. Pela Aeronáutica, a razão seria sua capacidade de combate mais testada e os sistemas mais avançados. A mais intensa cooperação entre os militares da FAB e da USAF também estaria entre as razões.

Já a Embraer está de olho no potencial do mercado norte-americano. Acredita-se que a parceria com a Boeing poderia abrir portas para dois produtos nacionais no arsenal do país: o transporte KC-390 e o Super Tucano, para uso em operações de guerrilha.