A MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal dos EUA (United States Department of Defence)

A MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal dos EUA (United States Department of Defence)

As forças armadas dos Estados Unidos lançaram nesta quarta-feira (13) uma bomba GBU-43 MOAB no Afeganistão. Essa foi a primeira vez que o artefato, a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal norte-americano, foi utilizado em combate. De acordo com a rede CNN, o bombardeio atingiu membros do grupo terrorista Estado Islâmico escondidos em cavernas na província afegã de Nangarhar, próximo a fronteira com o Paquistão.

MOAB é o acrônimo para “Massive Ordnance Air Blast Bomb”, que em português pode ser entendido como “bomba aérea de destruição massiva”. Por conta dessa sigla, nos EUA a bomba ganhou o apelido de “Mother Of All Bombs”, a “mãe de todas as bombas”.

O artefato, desenvolvido em 2003, durante a Guerra do Iraque, pesa mais de 11 toneladas e tem orientação por GPS. O poder de destruição da MOAB pode se espalhar por um raio de 1 km.

Devido ao grande porte, com 9,1 metros de comprimento, a bomba gigante dos EUA só pode ser lançada pela porta traseira de aviões de carga, como o jato C-5 Galaxy ou o turbo-hélice C-130 Hercules, como foi o caso do ataque realizado hoje pelo Comando de Operações Especias da Força Aérea dos EUA.

A ogiva da MOAB é composta por 8.165 kg de tritonal, uma mistura de dinamite (80%) e pó de alumínio (20%), que serve para potencializar a potência da explosão. Cada bomba GBU-43 é avaliada em US$ 16 milhões (cerca de R$ 50 milhões).

Rússia tem bomba ainda mais poderosa

A MOAB é considerada a segunda bomba não nuclear mais poderosa do mundo. A primeira colocação é da bomba ATBIP, sigla para “Bomba Aérea Termobárica de Poder Ampliado”, desenvolvida na Rússia e testada em 2007. Em alusão ao artefato dos EUA, o modelo russo foi apelidado como FOAB, abreviação em inglês para “Pai de Todas as Bombas”.

Apesar de ser uma tonelada mais leve que o modelo americano, a maior bomba convencional da Rússia tem poder de explosão quatro vezes superior ao da MOAB. Já seu raio de destruição é duas vezes maior.

O efeito da bomba russa é equivalente a 0,3% do poder de destruição da bomba atômica usada pelos EUA contra Hiroshima, no final da Segunda Guerra Mundial.

Veja mais: Desenvolvido no Brasil, míssil A-Darter entra na fase de testes