A Embraer já produziu o jatos Legacy 650 e o ERJ-145 na China (Divulgação)

A Embraer já produziu o jatos Legacy 650 e o ERJ-145 na China (Divulgação)

A Embraer anunciou nesta quarta-feira (1) o fim da parceria com as subsidiárias do grupo chinês Avic para produção de jatos executivos. A empresa brasileira produzia o Legacy 650 na China por meio da joint-venture Harbin Embraer Aircraft Industry (HEAI), do qual também faziam parte as fabricantes Harbin Aviation Industry e a Harbin Hafei Aviation Industry.

A parceria entre as empresas foi iniciada em 2013 e a última aeronave fabricada na China, um Legacy 650, ocorreu em março deste ano. A mesma unidade, localizada na cidade de Harbin, também já produziu o jato comercial ERJ-145 (modelo no qual é Legacy é baseado).

“A Embraer permanece totalmente comprometida e vai continuar a atender os mercados chineses de aeronaves comerciais e executivas”, afirmou a fabricante. Atualmente, 166 aeronaves da empresa (fabricadas no Brasil e na China) operam na China.

Embraer “Made in USA”

A Embraer também fabrica aviões nos Estados Unidos. A empresa brasileira produz em Melbourne, na Florida, os jatos executivos Legacy 450, Legacy 500 e os dois modelos da série Phenom. Já o modelo militar Super Tucano é montado nos EUA, na planta em Jacksonville, no mesmo estado.

No Brasil, as linhas de montagem da Embraer ficam no estado de São Paulo, nas cidades de São José dos Campos, onde são produzidas aeronaves de uso comercial e executivo, e Gavião Peixoto, responsável pelos modelos de aplicação militar. A empresa ainda conta a subsidiária Neiva, em Botucatu (SP), onde é fabricado o avião-agrícola Ipanema.

Veja mais: Embraer apresenta Legacy 500 em Londres