E195-E2 voa pela primeira vez: 90 das 215 encomendas firmes são da versão (Embraer)

A Embraer comemorou nesta quarta-feira a primeira decolagem do E195-E2, maior versão da nova família de jatos comerciais da empresa. A aeronave havia sido apresentada no início do mês e a própria fabricante reconhecia que o primeiro voo deveria ocorrer mais cedo do que se pensava. Mas talvez ninguém esperasse isso apenas três semanas depois do roll-out.

O jato comercial é também o maior avião já desenvolvido no país. Versão ampliada e aprimorada do primeiro E195, o novo avião possui 41,5 m de comprimento e 35,1 metros de envergadura.  Segundo a Embraer, ele pode levar até 146 passageiros, dependendo da configuração escolhida pelo cliente. Na prática, são três fileiras extras em relação ao antecessor.

“O E195-E2 oferece aos nossos clientes a oportunidade de desenvolver novos mercados com maior lucratividade sem comprometer a competitividade de custo unitário. É uma máquina de geração de resultado”, explicou John Slattery, Presidente da divisão de aviação comercial da Embraer.

A aeronave decolou de São José dos Campos, sede da empresa, às 11 horas e 22 minutos e voou por cerca de duas horas. A tripulação foi formada pelos pilotos Márcio Brizola Jordão e José Willi Pirk, e os engenheiros de voo Celso Braga de Mendonça e Mario Ito. Já nesse primeiro voo, eles avaliaram o desempenho da aeronave, qualidade de voo e o comportamento de sistemas como o piloto automático, fly-by-wire e retração do trem de pouso.

Novos competidores

Demonstrar avanços em seus projetos é uma forma de a Embraer se diferenciar dos seus concorrentes, quase todos enfrentando problemas com o desenvolvimento de seus aviões. A Bombardier, por exemplo, apenas no ano passado conseguir colocar em operação a família CSeries.

A tripulação comemora o primeiro voo do E195-E2 (Embraer)

Quanto aos novos rivais dos E-Jets, muitos problemas pela frente: a Mitsubishi já postergou a entrega dos primeiros MRJ90 para 2018 e a Sukhoi, embora já tenha entregue um bom número de Superjet 100, seu modelo, depende demais do mercado russo para garantir sua produção.

A versão E195 deve entrar em serviço em 2019, mas com o cronograma antecipado não é arriscado dizer que a Embraer possa entregá-lo antes do planejado, caso haja interesse em seus operadores (a Azul será o primeiro deles). Até o momento, 275 aeronaves foram encomendadas e 415 cartas de intenção foram assinadas. Veja abaixo o momento da decolagem do E195-E2.

O desafio agora é provar qual desses jatos é capaz de entregar a eficiência operacional e proporcionar retorno financeiro para seus clientes. Quem acertar a mão deve levar vantagem nas futuras encomendas que virão.

Embraer E195-E2 decola pela primeira vez