A indústria aeronáutica chinesa já desenvolveu uma série de aeronaves diferentes

A indústria aeronáutica chinesa já desenvolveu uma série de aeronaves diferentes

Com seus mais de 1,5 bilhão de habitantes, a China não consegue reunir 11 bons jogadores de futebol, mas por outro lado tem um exército com milhares de engenheiros que estão contribuindo significativamente para o avanço da indústria aeronáutica do país.

Além de “bugigangas” e smartphones, a China está se especializando em produzir aviões e helicópteros de alto desempenho. Os chineses já sabem construir caças supersônicos, helicópteros de todo tipo e porte, jatos de passageiros, aeronaves de carga, planadores, aviões elétricos…

Os primeiros projetos “Made in China”, no entanto, têm origens suspeitas. Após a Segunda Guerra Mundial, com um vasto arsenal abandonado por forças dos Estados Unidos e União Soviética, a China tinha a disposição o que havia de mais moderno na década de 1940. A partir desses aviões, os chineses criaram cópias exatas de uma série de aeronaves desse tempo, principalmente da URSS, que mais adiante se tornaria o grande parceiro do país na aviação.

Com o passar dos anos, empresas chinesas se associaram a diversos fabricantes ocidentais, como Airbus, Boeing e até a Embraer e com o tempo passaram a caminhar com os próprios pés na aviação. Atualmente possuem uma série de projetos no ramo militar e recentemente na área comercial.

Conheça a seguir alguns dos principais aviões chineses:

1 – Shenyang J-8

A China já é um dos países que mais fabrica caças. Além de uma série de modelos derivados de projetos russos, como variações do temido Sukhoi Su-27, construtores chineses vêm desenvolvendo desde os anos 1960 suas próprias aeronaves de alta performance.

O J-8 possui oito pontos de fixação para armas nas asas (Shenyang Aircraft)

O J-8 possui oito pontos de fixação para armas nas asas (Shenyang Aircraft)

Um dos modelos mais simbólicos dessa primeira safra e que ainda continua em serviço é o Shenyang J-8, uma aeronave de interceptação e ataque ao solo. O aparelho é uma espécie de versão melhorada do soviético MiG-21, com sistemas de radar e armas de maior capacidade. É também um dos aviões mais bem armados da força aérea chinesa, capaz de levar seis mísseis de curto e médio alcance ou foguetes e bombas para atacar alvos terrestres.

O jato voou pela primeira vez em 1969 e enfrentou um longo período de desenvolvimento até finalmente entrar em operação em 1980. O caça é um dos mais rápidos do mundo, com velocidade máxima limitada em cerca de 2.400 km/h, e pode voar a mais de 20 mil metros de altitude. Shenyang produziu 390 unidades do J-8.

2 – Yuneec International EViva 

O moto-planador chinês EViva pode voar a até 220 km/h (Divulgação)

O moto-planador chinês EViva pode voar a até 220 km/h (Divulgação)

Atualmente existem três fabricantes de planadores na China e a que possui o projeto mais avançado até então é o Yuneec Internacional. A empresa está na fase final do desenvolvimento do moto-planador Eviva. Mas não é um planador motorizado qualquer. Esse tem motor elétrico!

O aparelho é equipado com um pequeno motor elétrico de 40 cv que pode funcionar por até duas horas, o que aumenta consideravelmente o alcance na fase do voo a vela. O EViva ainda é construído com fibra de carbono e possui painel com equipamentos digitais.

O lançamento do aparelho está programado para 2016.

3 – Starlight 100

A China Aviation Industry General Aircraft é uma fabricante estatal (assim como todas as outras empresas do ramo na China) já com uma longa carreira na produção de aviões monomotores pequenos e médios. Mas no início desta década a empresa partiu para os jatos e atualmente trabalha nos últimos detalhes da série de aeronaves executivas Starlight.

Beleza não é uma das virtudes do jatinho chinês... (CAIGA)

Beleza não é uma das virtudes do jatinho chinês… (CAIGA)

O primeiro modelo será o Starlight 100, um curioso avião com o motor a jato posicionado na parte superior da fuselagem. Segundo dados preliminares do fabricante, o aparelho, com cabine para até seis passageiros, poderá voar a 600 km/h e terá alcance próximo de 2.200 km.

A CAIGA também está desenvolvendo o Starlight 200, um modelo com dois motores e capacidade para até 10 ocupantes.

4 – Avic AG600

Engenheiros chineses da Aviation Industry Corporation of China (AVIC) também estão trabalhando no desenvolvimento de um avião de combate ao incêndio, o AG600. Anfíbio e equipado com quatro motores turbo-hélices, o aparelho poderá carregar 12 mil litros de água ou atuar em operações de busca e salvamento de longa duração.

O AVIC AG600 é desenvolvido para funções como transporte e combate a incêndios florestais (Alert5)

O AVIC AG600 é desenvolvido para funções como transporte e combate a incêndios florestais (Alert5)

O enorme hidroavião chinês pode viajar por mais de 5.000 km a uma velocidade máxima de até 570 km/h. Malásia e Nova Zelândia já manifestaram interesse em adquirir a aeronave, cujas primeiras unidades devem ser entregues a partir de 2016.

5 – Avicopter AC-313

Um dos principais helicópteros fabricados no China é o “grandalhão” Avicopter AC-313, modelo bi-turbina baseado no SA 321 Super Frelon, desenvolvido originalmente na França.

O AC-313 é a versão chinesa do consagrado Super Frelon (Avicopter)

O AC-313 é a versão chinesa do consagrado Super Frelon (Avicopter)

O AC-313 voou pela primeira vez em 1962 e quatro anos depois entrou em operação pelas forças armadas da China. O Super Frelon chinês também já foi exportada para a África do Sul e o Iraque. A linha de montagem do aparelho na China foi desativada em 1981, mas a Avicopter já criou uma série de melhorias para os aparelhos que continuam em serviço.

Descrito como um helicóptero multi-uso, o AC-313 também possui um casco flutuante que permite pousar na água. A aeronave é utilizada na China em operações de busca e salvamento, transporte de soldados e pode até localizar e abater submarinos e navios.

6 – COMAC ARJ21-700

Primeiro avião comercial a jato desenvolvido na China, o ARJ21-700 estreou neste ano com a companhia aérea Chengdu Airlines. Com capacidade para até 90 passageiros e alcance próximo de 2.200 km, o modelo será utilizado nas chamadas rotas regionais, viagens curtas com pouca demanda de ocupação.

O primeiro ARJ21-700 em operação tem capacidade para 90 passageiros (Chengdu Airlines)

O primeiro ARJ21-700 em operação tem capacidade para 90 passageiros (Chengdu Airlines)

A aeronave é uma espécie de versão evoluída do Douglas DC-9, avião que marcou época na aviação norte-americana nos anos 1970. O modelo chinês possui equipamentos de voo digital e utiliza materiais mais leves na construção comparado ao DC-9.

O aparelho recém-lançado pela COMAC, atualmente a maior fabricante de aviões da China, é o primeiro de uma série de jatos comerciais “Made in China” que estão por vir. Além do ARJ21-700 e variações com maior alcance e capacidade, a empresa também trabalha no desenvolvimento do C919, um jato com o mesmo porte da dupla Airbus A320/Boeing 737, e o C929, um modelo com dimensões comparáveis a do Boeing 777.

O jato chinês COMAC C919 vai concorrer com o Boeing 737 e o Airbus A320 (COMAC)

O jato chinês COMAC C919 vai concorrer com o Boeing 737 e o Airbus A320 (COMAC)

7 – CAIC Z-10

São os poucos os países que fabricam helicópteros de ataque, como o famoso AH-64 Apache. A China é um deles. A Changhe Aircraft Industries Corporation (CAIC) entregou em 2012 ao exército chinês o modelo Z-10, um poderoso helicóptero para atacar objetivos terrestres ou até aviões e outros helicópteros se equipado com mísseis ar-ar.

O "Apache chinês" pode voar a 300 km/h e carregar armas anti-tanque (CAIC)

O “Apache chinês” pode voar a 300 km/h e carregar armas anti-tanque (CAIC)

Mas a maior especialidade do Z-10 é destruir tanques e carros blindados, função na qual conta com um variado leque de armamentos “inteligentes”, como mísseis guiados a laser e um canhão com mira automática.

É também um helicóptero ágil e muito rápido, capaz de voar a 300 km/h rasando o solo. O desenvolvimento do aparelho teve participação da fabricante sul-africana Atlas Aircraft (atualmente Denel), que também criou um modelo com a mesma capacidade. O “Apache chinês” também está em operação no Paquistão. A CAIC já produziu mais de 100 unidades do Z-10.

8 – Hongdu L-15

A formação de pilotos de caça, a elite de uma força aérea, exige aviões de treinamento de alto desempenho. Os pilotos chineses, antes de embarcarem em caças mach 2, realizam sua formação a bordo do Hongu L-15, uma aeronave supersônica para instrução.

O L-15 serve principalmente para a formação de novos pilotos de caça (domínio público)

O L-15 serve principalmente a formação de novos pilotos de caça (domínio público)

O L-15 é um dos aviões mais avançados já desenvolvido na China. Possui comandos fly-by-wire, radar de busca e navegação, fuselagem e asas construídos com materiais compostos e equipamentos de voo digitais. Também pode ser armado com mísseis, bombas e foguetes.

O jato de treinamento da Hongdu Aviation Industry Corporation também foi encomendado pelas forças armadas da Zâmbia e Venezuela e recebeu sondagens das forças aéreas da Ucrânia, Paquistão e Uruguai.

9 – Xian H-6

O país que arrumar briga com a China terá de ficar atento aos céus, pois as forças armadas chinesas podem enviar os bombardeiros estratégicos Xian H-6. Cópia exata do Tupolev Tu-16, que foi um dos maiores tormentos dos EUA durante a Guerra Fria, o H-6 é fabricado pela Xi’an Aircraft Industrial Corporation desde os anos 1970 e sua linha de montagem segue ativa.

O H-8 pode carregar até nove toneladas de bombas (divulgação)

O H-8 pode carregar até nove toneladas de bombas (divulgação)

Retirado de serviço na Rússia da década de 1990, o modelo chinês continuou em serviço na China e recebeu uma série de “upgrades”, como um radar de maior alcance e equipamentos de voo digital, itens que melhoram a capacidade de ataque da aeronave.

Na configuração chinesa, o bombardeiro pode voar a 1.050 km/h e tem alcance de 6.000 km. Já o porão pode receber até nove toneladas de bombas, convencionais ou guiadas a laser, ou no pior dos casos, um artefato nuclear. O H-6 também opera como avião-tanque. A China já produziu cerca de 280 unidades desse bombardeiro.

10 – Shenyang J-31

A China também está próxima de concluir o desenvolvimento de seu primeiro avião “invisível”, o Shenyang J-31. O primeiro protótipo voou em 2012 revelando um design com formas facetadas que lembram o desenho do caça norte-americano F-22 Raptor. O projeto, porém, é considerado confidencial pelo governo e por isso são raras as aparições do J-31.

O caça invisível chinês ainda não tem data para entrar em operação (Airliners.net)

O caça invisível chinês ainda não tem data para entrar em operação (Airliners.net)

A Shenyang Aircraft Corporation também mantém em segredo as informações sobre desempenho e detalhes sobre a capacidade furtiva da aeronave, que ainda não tem data para entrar em operação.

Teorias apontam que os chineses podem ter aprendido a dominar a tecnologia stealth a partir dos restos de um bombardeiro F-117 dos EUA, que foi abatido durante a Guerra do Kosovo, em 1999, e adquirido clandestinamente pela China. O governo chinês nunca confirmou essa história. Já os destroços do avião nunca foram recuperados…

Veja mais: Boeing 747 SP, o “Baby Jumbo”