Cada motor do DA62 gera 180 hp, com querosene ou diesel (Divulgação)

Cada motor do Diamond DA62 gera 180 hp, com querosene ou diesel (Divulgação)

O carro com motor bicombustível, o conhecido “flex”, todos conhecem. Mas já ouviu falar de um avião com essa tecnologia? A fabricante austríaca Diamond Aircraft Industries acaba de lançar no mercado brasileiro uma aeronave com motores que podem funcionar com querosene ou diesel. O primeiro modelo da empresa desse tipo no país, representada pela Aeromot, de Porto Alegre (RS), é o bimotor DA62, com espaço para até sete ocupantes.

“No início, a aeronave será homologada para voar no Brasil abastecida somente com querosene. O diesel mais indicado para essa aeronave é o do tipo S10. E ainda precisamos testar o avião com o diesel S10 nacional e obter a certificação”, contou Felipe Nardi, diretor de vendas da Aeromot, ao Airway.

Um DA62 de demonstração foi apresentado no Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo (SP), nessa quinta-feira (24) e, segundo Nardi, o avião já pode ser encomendado. O modelo “básico” custa 920 mil euros (cerca de R$ 3,3 milhões). Com itens opcionais, como radar, ar condicionado e sistema de geração do oxigênio, o valor pode passar de € 1 milhão.

Como funciona?

Os propulsores usados no DA62 também foram desenvolvidos por um empresa da Áustria, a Austro. São motores de combustão interna (de 1,991 cm³ de cilindrada), quatro cilindros em linha e com turbocompressor. Segundo o fabricante, cada motor gera até 180 cavalos de potência.

Diferentemente de motores movidos a gasolina ou etanol, combustíveis que precisam de uma faísca (a vela de ignição) para entrar em combustão, a ignição do motor diesel acontece por compressão. Esse mesmo ciclo também funciona com o querosene, cuja queima ainda tem a vantagem de ser mais “limpa” que a do diesel. Este, por sua vez, tem a vantagem do preço mais baixo.

O DA62 tem velocidade máxima próxima dos 400 km/h (Divulgação)

O DA62 tem velocidade máxima próxima dos 400 km/h; alcance é de 2.300 km (Divulgação)

De acordo com a Diamond, o DA62 pode voar a velocidade máxima de 379 km/h (cruzeiro de 325 km/h) e alcança 20.000 pés de altitude (6.000 metros). De tanques cheios, a aeronave pode realizar viagens de 2.300 km ou então permanecer voando por até nove horas e meia.

A estrutura da fuselagem da aeronave é toda construída em fibra de carbono, material que ao mesmo tempo é leve e muito resistente. Vazio, o DA62 pesa 1.570 kg e pode decolar com peso máximo de 2.300 kg.

O avião fabricado na Áustria tem espaço para até sete ocupantes, contando os pilotos (Divulgação)

O avião fabricado na Áustria tem espaço para até sete ocupantes, contando os pilotos (Divulgação)

Mini avião executivo

Como explicou o diretor de vendas da Aeromat, o bimotor austríaco é uma aeronave que pode encontrar compradores no mercado nacional de aviação privada. “O público dele é o mesmo que compra aviões como o Baron. As principais regiões onde esses aviões voam são nas regiões centro e sul do Brasil”, afirmou Nardi, comparando o DA62 ao consagrado bimotor da Beechcraft, produzido desde 1961.

Apesar de pequeno, com apenas 9,19 metros de comprimento, o avião da Diamond tem espaço razoável na cabine. A parte traseira divide os passageiros em um banco para dois ocupantes, no fundo, e outro, no centro, com mais três assentos. Como o DA62 é uma aeronave “single pilot”, com habilitação para ser conduzida apenas por um piloto, o espaço do co-piloto pode ser cedido a mais um passageiro.

O avião austríaco também pode operar em pistas pequenas. Para decolar, são necessários 380 metros de pista e o pouso é realizado em 700 m.

Diamond no Brasil

A Aeromot também oferece toda linha de aeronaves da Diamond, que compreende além de modelos bimotores, monomotores e planadores motorizados. Oito aviões da marca já voam no Brasil (cinco modelos DA20 e outros três DA40), além do DA62 em demonstração. “Vamos realizar um tour com essa aeronave pelo Brasil”, anunciou o diretor de vendas.

O primeiro DA62 foi entregue em outubro de 2015 e, desde então, a fabricante já vendeu 25 unidades da aeronave, a maioria no mercado europeu, onde é homologado para voar com diesel ou querosene.

O monomotor DA20 é um dos aviões da Diamond que já voam no Brasil (Divulgação)

O monomotor DA20 é um dos aviões da Diamond que já voam no Brasil (Divulgação)

Nota do editor: Para quem não sabe, no Brasil já existia, pelo menos, um avião com motor a etanol: o Embraer Ipanema, de uso agrícola.

Veja mais: Airbus A350-1000 realiza primeiro voo