O A320neo da Avianca vem com cabine de 165 assentos (Airbus)

A Avianca escolheu o A320nem com cabine de 165 assentos; o modelo da Latam leva 174 passageiros (Airbus)

Representantes da Avianca Brasil receberam nesta quinta-feira (13), na fábrica da Airbus, em Toulouse, na França, o primeiro jato A320neo encomendado pela companhia. A empresa é a segunda das Américas do Sul a receber a aeronave – a Latam foi a primeira – e a primeira da região a operá-lo com motores LEAP-1ª CFM Internacional – o A320neo da Latam tem motores Pratt & Whitney.

Ao todo, a Avianca encomendou 62 aeronaves da nova família A320neo. O jato reformulado é impulsionado por motores mais eficientes e “Sharklets”, dispositivos aerodinâmicos nas pontas das asas. Segundo a Airbus, a combinação desses novos recursos permite uma redução de 15% no consumo de combustível da aeronave.

Consumindo menos combustível, o A320neo pode voar por maiores distancias. A nova geração da aeronave ganhou mais 800 km de autonomia em relação ao modelo anterior, podendo agora realizar rotas de até 6.500 km. Ainda de acordo com o fabricante, o nível de ruído do jato foi reduzido em 50%.

“Graças à sua ecoeficiência, conforto superior e excelente confiabilidade, o A320neo garantirá não apenas a renovação contínua da nossa frota, como também permitirá que continuemos a oferecer a melhor experiência de voo no país”, afirmou afirmou Frederico Pedreira, presidente da Avianca Brasil, que participou da cerimônia de entrega da aeronave na França.

O A320neo da Avianca será o mais espaçoso entre as companhias aéreas brasileiras. A empresa escolheu a configuração para 165 passeiros, enquanto a Latam e a Azul, outra companhia que também encomendou a nova aeronave da Airbus, optaram pela cabine com 174 assentos.

A nova geração do A320 é 15% mais eficiente no consumo de combustível (Airbus)

A nova geração do A320 é 15% mais eficiente no consumo de combustível (Airbus)

O mais pedido

A Família A320neo já conta mais de 4,8 mil pedidos de 87 clientes desde o anúncio de lançamento, em 2010, o que representa quase 60% do mercado de jatos médios. O principal concorrente do novo jato da Airbus é o Boeing 737 MAX, ainda está em fase de testes, com previsão de estreia até o final de 2017.

Veja mais: Quando uma companhia brasileira quis comprar o Concorde