O 737 da Alaska foi abastecido com uma mistura de biocombustível e querosene convencional (Divulgação)

O 737 da Alaska foi abastecido com uma mistura de biocombustível e querosene convencional (Divulgação)

A companhia Alaska Airlines realizou nesta semana seu primeiro voo comercial com um Boeing 737-800 abastecido de biocombustível fabricado a partir de resíduos orgânicos de fazendas. A aeronave voou no trecho entre Seattle e Washington, nos Estados Unidos, com 163 passageiros.

O combustível lançado pela Alaska vem sendo desenvolvido pela própria companhia desde 2011, em parceria com Universidade Estadual de Washington. De acordo com a empresa, o biocombustível usado no 737 é “quimicamente indistinguível” do querosene de aviação comercial, derivado do petróleo.

No primeiro voo, o 737 da Alaska usou uma mistura de 20% do biocombustível (cerca de quatro toneladas) misturado ao querosene convencional nos tanques. Como explicou a companhia, o combustível alternativo é fabricado a partir de celulose, proveniente da madeira, como ramos e galhos descartados em colheitas.

“Se a companhia fosse capaz de substituir 20% de todo o suprimento de combustível no aeroporto de Seattle, reduziria as emissões de gases de efeito estufa em cerca de 142.000 toneladas”, diz o comunicado da Alaska Airlines. “Isso equivale a tirar aproximadamente 30 mil veículos de passageiros das ruas por um ano”, completa.

Veja mais: Virgin testa combustível de jato fabricado com rejeitos siderúrgicos