A nova caixa-preta ejetável da Airbus ficará posicionada na parte traseira das aeronaves (Airbus)

A nova caixa-preta ejetável da Airbus ficará posicionada na parte traseira das aeronaves (Airbus)

A Airbus anunciou nesta semana, em conferência no Paris Air Show, que vai utilizar um novo tipo de caixa-preta, projetada para se desprender do avião em caso de queda no mar. Segundo a fabricante, a novidade será empregada até o final de 2019, no jato de longo alcance A350.

Além da função “ejetora”, a nova caixa preta da Airbus vai combinar o gravador de voz da cabine de comando, com capacidade para armazenar 25 horas de conversações, e o sobre dados de voo em apenas um equipamento – esses dois equipamentos hoje são separados.

Como explicou a fabricante, o equipamento será posicionado na parte traseira da aeronave. No caso de pouso no mar e detecção de deformação da fuselagem por pressão de submersão, a caixa-preta será automaticamente liberada da aeronave e flutuar até a superfície.

A Airbus ainda revelou que o novo equipamento, com baterias de maior capacidade, emitirá sinas de localização durante 90 dias, antes dos 30 dias das caixas-preta atuais.

Além do A350, o fabricante europeu também confirmou o novo equipamento para os jatos A330, A321 LR (versão de longo alcance do A321) e o A380.

A caixa-preta é laranja! O equipamento acima é a versão utilizada nos A320 da Latam (Thiago Vinholes)

A caixa-preta é laranja! O equipamento acima é a versão utilizada nos A320 da Latam (Thiago Vinholes)

Fim do mistério

A nova caixa-preta proposta pela Airbus pode ajudar a solucionar as causas de acidentes aéreos em menor tempo ou mesmo encerrar casos que no formato atual nunca foram desvendados.

O exemplo mais recente de um acidente até hoje sem uma explicação exata é o do voo MH370 da Malaysia Airlines, desaparecido em 2014. As caixas-pretas do Boeing 777 que voava entre Kuala Lumpur com destino a Pequim com 239 pessoas nunca foram encontradas. As buscas pela aeronave foram encerradas em janeiro deste ano.

Outro caso que poderia ser agilizado com a caixa-preta ejetável é o do voo AF447 da Air France, que voava na rota entre o Rio de Janeiro e Paris, de 2009. Os gravadores de voz e dados de voo da aeronave, um Airbus A330, só foram recuperados 23 meses após o acidente, a uma profundidade de 3.900 metros no Oceano Atlântico.

Veja mais: Mitos e verdades sobre acidentes aéreos