A cabine 'Melody' do ACJ320neo transforma o avião em uma casa (Airbus)

A cabine ‘Melody’ do ACJ320neo transforma o interior da aeronave em  uma casa (Airbus)

A Airbus já faturou no NBAA (National Business Aviation Association), a maior feira de aviação executiva no mundo, em Orlando, nos Estados Unidos. O evento abriu nesta terça-feira (1) e segue até quarta-feira (3). E nesse primeiro dia a fabricante europeia a encomenda para um ACJ320neo, jato executivo baseado no A320neo, a nova geração da família A320.

Cada um desses jatos na nova série ACJ320neo, da divisão Airbus Corporate Jet (ACJ), pode custar mais de US$ 115 milhões, ou mais de R$ 300 milhões. O modelo foi comprado por um cliente não identificado. Ele escolheu a versão “intermediária” do novo A320 executivo, para 25 passageiros.

Mas a grande novidade da Airbus Corporate Jet (ACJ) no evento nos EUA é a versão “top de linha” para os ACJ319neo e ACJ320neo, com a cabine “Melody”. Nessa opção, o avião vem com apenas 12 assentos (ou apenas oito no ACJ319neo). É uma diferença imensa comparado ao A320neo comercial, que pode voar com até 195 passageiros na configuração de maior densidade (e mais apertada) oferecida pela Airbus.

A cabine super luxuosa tem suíte com cama de casal, duas salas, “home cinema” e um espaço de descanso para a tripulação. Dependendo do voo, a aeronave pode precisar de um piloto reserva, pois a aeronave pode permanecer voando por até 13 horas ou 15 horas, tempo de voo máximo do ACJ319neo.

Outro mundo

“Uma das principais características dos jatos executivos da Airbus é a melhor experiência de viagem que eles oferecem, através da liberdade de movimento e maior sociabilidade, bem como seu maior espaço e conforto. A nova cabine Melody destaca esse benefício sobre jatos executivos tradicionais”, declarou o diretor de operações comerciais da ACJ, John Leahy.

O A320neo executivo pode permanecer voando por até 13 horas (Airbus)

Malas por combustível: o A320neo executivo pode permanecer voando por até 13 horas (Airbus)

Como levam poucos passageiros, jatos executivos baseados em modelos comerciais têm compartimentos de bagagem menores, espaço extra que os fabricantes utilizam para incluir mais tanques de combustível. São aviões, que apesar do porte, podem cruzar continentes sem precisar realizar paradas de reabastecimento. O ACJ319neo, por exemplo, pode percorrer até 15.000 km, mesma autonomia do A350.

A ACJ320neo também traz as mesmas tecnologias para redução do consumo de combustível lançadas no A320neo, no caso os motores mais eficientes e os “Sharklets”, dispositivos aerodinâmicos instaladas nas pontas das asas. Com esses dois recursos, a aeronave é até 15% mais eficiente que o A320 da geração anterior.

Planta da cabine 'Melody', para o ACJ320neo - clique para ampliar (Airbus)

Planta da cabine ‘Melody’, para o ACJ320neo – clique para ampliar (Airbus)

Anunciados no final de 2015, os novos jatos da família ACJ320neo, com a nova encomenda, agora somam cinco pedidos: dois ACJ319neo e três ACJ320neo. De acordo com o fabricante, o primeiro aparelho, um ACJ320neo, será entregue em 2018, a empresa de voos charter Comlux, da Suíça. E a feira em Orlando ainda não terminou…

Além de empresas de voos fretados ou até clientes privados, os jatos corporativos da Airbus também mantém uma fiel clientela com governos. Diversos países utilizam as aeronaves da empresa nessas versões para o transporte de presidentes, como o A319CJ “VC-1” operado pela Força Aérea Brasileira desde 2005.

Veja mais: Novo Legacy 650E vem com 10 anos de garantia