Singapore teria causado o mal-entendido sobre o A350-900ULR (Airbus)

Um mal-entendido teria tornado o alcance do jato A350-900ULR, da Airbus, menor do que se imaginava. Quando lançou a versão de ultra longo alcance em 2015, diante da encomenda da companhia Singapore Airlines, a fabricante europeia revelou apenas que o avião seria capaz de voar por 19 horas sem reabastecimento. Já a empresa asiática divulgou o alcance como 8,7 mil milhas náuticas na época, cerca de 16,1 mil km, distância que separa Cingapura de Nova York – onde ela pretende usar o jato.

Agora, a Airbus corrigiu a informação em seu site e revelou uma autonomia ainda mais impressionante: 9.700 milhas náuticas, ou 17.964 km. Para se ter uma ideia, esse alcance permite que um A350-900ULR decole de Guarulhos e, quase 20 horas depois, pouse em Pequim. Hoje voar para a capital da China é uma tarefa bem mais demorada e cansativa, que exige uma escala no caminho.

A Airbus, no entanto, negou que houve uma mudança no desempenho do jato, que deve entrar em operação em 2019. A informação sempre seria a atual, mas a confusão com o episódio acabou reduzindo involuntariamente o alcance do birreator, que também foi encomendado pela Qatar, além da Singapore.

Para obter essa meta, a Airbus aumentará a capacidade de transporte de combustível em 17% por meio de tanques adicionais. Resta saber como manter os passageiros entretidos e descansados após 19 horas a bordo de um avião.

Em vez de parar pelo caminho, o A350-900ULR poderia economizar tempo em viagens longas

Veja mais: “Airbus chinês”, COMAC C919 realiza primeiro voo