A Aeroflot foi fundada em 1923, na então recém-formada União Soviética (Airbus)

A Aeroflot foi fundada em 1923, na então recém-formada União Soviética (Airbus)

Antes classificada como uma das piores companhias aéreas do mercado mundial, com uma coleção de acidentes e reclamações de passageiros, a Aeroflot, da Rússia, agora é apontada como a empresa mais poderosa do mundo nesse setor. É o que diz o ranking elaborado pela consultoria britânica Brand Finance para 2017, divulgado neste mês.

A companhia, fundada nos tempos da antiga União Soviética, alcançou a pontuação mais alta sobre “força da marca”, com 89 pontos de um máximo de 100. Na explicação da consultoria, o que determina esse índice são fatores como investimentos em marketing, patrimônio e funcionários, idade e tamanho da frota de aeronaves, fidelização de clientes e o desempenho financeiro.

De acordo com o Brand Finance, grande parte do “poder” da Aeroflot vem do mercado doméstico russo, hoje um dos mais movimentados do globo e dominado pela empresa.

A companhia russa, ainda segundo a consultoria, possui a frota de aeronaves mais nova entre as grandes empresas do setor e também é uma das que mais investe em marketing, em especial na Ásia. O Brand Finance ainda destaque o fato da Aeroflot ser um dos patrocinadores do Manchester United, o clube de futebol mais valioso do mundo.

Seguindo os mesmos quesitos, a segunda companhia aérea mais poderosa do mundo é a Southwest Airlines, dos EUA, que obteve 88 pontos, seguida da Emirates, com 87 pontos.

Companhias mais valiosas de 2017

As três principais empresas aéreas com as marcas mais valiosas do mundo agora são todas dos EUA: American Airlines, Delta e United Airlines, pela ordem. Nos últimos cinco anos, o ranking do Brand Finance foi dominado pela Emirates, de Dubai.

O Brand Finance avaliou a AA como a empresa mais valiosa de 2017, em US$ 9,8 bilhões (Divulgação)

O Brand Finance avaliou a AA como a empresa mais valiosa de 2017, em US$ 9,8 bilhões (Divulgação)

A maior empresa aérea dos Emirados Árabes viu seus lucros caírem 75% em 2016. Segundo a explicação da consultória britânica, o que influenciou na queda da Emirates foi o preço mais baixo do petróleo. O valor mais competitivo dos combustíveis ajudou todas as companhias aéreas, no entanto, ele trabalhou contra as empresas árabes, reduzindo a demanda no Oriente Médio – os hubs nessa região perderam a importância que tinham até 2015.

O preço mais baixo do petróleo também aumentou a concorrência entre companhias do mundo todo contra as empresas dos Emirados Árabes (Etihad e Qatar também caíram no ranking), reduzindo as tarifas.

A Aeroflot, apesar de ser a companhia mais poderosa do mundo em 2017, ainda está longe das mais valiosas. A empresa russa aparece somente da 26º colocação, três posições à frente da LATAM, citada pela primeira vez no ranking do Brand Finance após a fusão entre Tam e Lan Chile.

10 companhias aéreas mais valiosas de 2017 (valores em dólares)

1-American Airlines -US$ 9,8 bilhões
2-Delta -US$ 9,2 bilhões
3-United Airlines -US$ 7,1 bilhões
4-Emirates -US$ 6 bilhões
5-Southwest Airlines -US$ 6 bilhões
6-China Southern – US$ 4,4 bilhões
7- China Eastern – US$ 3,9 bilhões
8- Air China – US$ 3,8 bilhões
9- British Airways – US$ 3,7 bilhões
10-All Nippon Airways – US$ 2,5 bilhões
26-Aeroflot – US$ 1,2 bilhão
29-LATAM – US$ 1 bilhão

Veja mais: Os aviões comerciais mais importantes da história